Ética na família

Parece sem sentido falar de ética na família. O que seria isto, exatamente? Precisamos de ética no trabalho, na política, na vida com outras pessoas. Mas, na família? Seria alguém desonesto na família? Prejudicaria os outros, conscientemente? Fraudaria os demais?

Sem hesitar: sim.  Há uma grande necessidade de ética na família. Ela é, hoje, sabotada em um processo de desconstrução, em que se procura derrubar o que está estabelecido e nada deixar em seu lugar. Muitos cristãos colaboram para isso. Ela é dada como ultrapassada, como reacionarismo social e como opressora, por querer limites. Já observou o esquema das novelas? Os adultos são sempre mostrados como hipócritas, e os jovens como idealistas. Os jovens dão broncas homéricas em seus pais, que são figuras patéticas, sem rumo. Os jovens têm todos os direitos, e os adultos, todos os deveres.  Os jovens não têm deveres e os adultos não têm direitos. A mensagem é a mesma da década dos sessentas: “Não confie nos adultos, menos ainda em seus pais”. O objetivo é claro: destruir é establishment. Muitas das bandeiras sociais hoje desfraldadas já aparecerem na história. Não são bandeiras. São mortalhas.

Tenta-se impor a mídia (nem sempre muito sadia) como quem estabelece limites. Mas isto é atribuição da família. É nela que somos socializados, aprendemos limites, direitos e respeitos. Não compete à mídia, a ONGs e ao Estado educar nossos filhos, mas compete-nos a nós mesmos, dentro de nossos valores. O totalitarismo ideológico tenta minar a família e passar seu controle para órgãos por vezes obscuros. Mas nós, cristãos, temos o direito de viver o evangelho em nossa família, e ensiná-lo aos nossos filhos.

A ética na família começa com o senso de grupo. A família deve se unir, se fechar e reagir contra quem tenta destrui-la.  E na ética doméstica, precisamos ter a noção de que temos direitos, mas deveres, também. Desempenhamos papéis no relacionamento familiar, e não podemos alterá-los. Filhos não governam a casa e pais são mais que pagadores de contas. São as pessoas que devem dar o rumo correto ao lar. Uma família procura se manter unida, porque, como disse Jesus, uma casa dividida acaba ruindo.

A família cristã se pauta pelos valores bíblicos, e não pelos midiáticos. Nossa verdade é a exarada pela Bíblia, e não a “metade mais um” de pesquisas sociológicas por vezes manipuladas ou distorcidas.

Ame sua família. Respeite seus membros. Saiba qual é seu espaço, situe-se nele, cumpra seus papéis e respeite os dos outros. Mostre sua fé em casa. Na igreja e no culto é muito fácil  ser espiritual, mas mostre no  lar.