Pregadores da autoajuda e do triunfalismo

“E curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz! Mas não há paz” – Jeremias 8.11 (Almeida Século 21)

A situação era terrível. Judá estava vivendo em pecado, caminhando para o desastre como o falecido Israel caminhara. Jeremias vê sua nação perdida na iniqüidade, é chamado por Deus para adverti-la, mas não lhe davam ouvidos. Isto mostra que o pecado endurece o coração das pessoas a tal ponto que o petrifica. Elas passam a amar o erro.

E apareceram falsos profetas, com mensagens opostas as de Jeremias. Ele falava de juízo, eles falavam de vitória. Ele anunciava a necessidade de arrependimento, e eles anunciavam que bastava a vida religiosa festiva. Jeremias anunciava a tribulação trazida por Deus para sacudir o povo, mas eles  ofereciam shalom, que é mais que “paz”. É integralidade, a totalidade do bem estar, na plena posse das bênçãos de Deus. Jeremias era o profeta “durão”. Eles eram “os caras”.

A pior desgraça para uma nação e pessoas é uma religião que as afaste de Deus. E como vemos isso hoje! Não se fala mais de pecado, de juízo, de arrependimento. As pregações são estimulantes, anunciando que vamos pisar os inimigos e triunfar sobre eles. Jeremias pregava arrependimento e sinceridade. Os falsos profetas falavam de festas e louvores. Isso bastava. Deus queria forró, e não corações quebrantados, na ótica dos falsos profetas. “Desde o profeta até o sacerdote, todos lançam mão da falsidade” (Jr 8.10).

A verdadeira religião não são festas para iludir a Deus e trazê-lo para o nosso lado, para que ele nos dê tudo o que precisamos. A verdadeira religião é descobrir a vontade de Deus e enquadrar-se nela. Mesmo precisando mudar radicalmente de vida.

O evangelho não é um chamado à felicidade nem à prosperidade. É um chamado para andar com Deus, tomando a cruz. Por toda a Bíblia o homem é chamado a se ajustar à vontade de Deus. Houve profetas anunciando coisas boas para o povo. Desfrutavam de grande popularidade. Da mesma forma os profetas de hoje que anunciam o triunfo e a prosperidade são populares. Mas cuidado, você que gosta de ouvir coisas boas! Os contemporâneos de Jeremias queriam só ouvir de triunfo e prosperidade, mas segundo o profeta, no fim teriam que dizer, lamentando: “O tempo da colheita passou, findou o verão, e nós não estamos salvos” (Jr 8.20). Passou o tempo da oportunidade e não consertaram a vida com Deus. O juízo viria mais rápido ainda.

Você está com a sua vida acertada com Deus? Está regulando seu procedimento com os padrões da Palavra de Deus? Todo profeta que varre para baixo do tapete a santidade de Deus e suas exigências morais e espirituais é um falso profeta. Deus não é Papai Noel. É o Santo de Israel.

Fuja da superficialidade dos pregadores da autoajuda e do triunfalismo. Examine-se diante de Deus e acerte sua vida com ele!