HEBREUS 7.4-10 – “A superioridade de Jesus”

IGREJA BATISTA CENTRAL DE MACAPÁ

ESTUDO BÍBLICO EM HEBREUS – 21.4.2013

HEBREUS 7.4-10 – “A superioridade de Jesus”

 

INTRODUÇÃO

Melquisedeque já foi introduzido na questão. De forma brilhante, o autor de Hebreus, ainda sem citar Jesus (no v. 3 a citação é circunstancial – só o mencionará no v. 14), mostra a superioridade de Melquisedeque, tipo de Jesus, sobre Abraão. Compara Jesus com Melquisedeque e assim o põe como superior a todo o sistema judaico. Começa agora, pelo sacerdócio levítico. Vejamos.

1. SUPERIOR POR RECEBER O DÍZIMO – VV. 4-6A, 9-10

O patriarca Abraão lhe entregou o dízimo (v. 4). Recebê-lo era restrito ao sacerdote (v. 5), que era superior, litúrgica e religiosamente, ao homem comum. Havia um clero e um laicato bem acentuados no Antigo Testamento. O clero era superior. Abraão era o pai da nação (Jo 8.39, 53). Sendo da linhagem sacerdotal de Melquisedeque, Jesus era superior a Abraão e a todos os levitas. Era superior ao judaísmo (vv. 9-10). Jesus é superior a todo o sistema religioso anterior.

 

2. SUPERIOR POR SER ABENÇOADOR – V.6B-7

O v. 7 resume tudo: quem abençoa é superior ao abençoado. Melquisedeque abençoou Abraão (v. 6). Era-lhe superior. Para o judeu, ser descendente de Abraão (ser judeu) era uma grande bênção. Mas Jesus, por ser da linhagem de Melquisedeque, era o grande abençoador. Ele tinha uma bênção para aqueles filhos de Abraão, e eles não a quiseram (Jo 5.40). Mas, ele, após abençoar o mundo com sua presença, ao voltar para casa, abençoou sua Igreja (Lc 24.50).

 

3. SUPERIOR POR SER SEMPRE EXISTENTE – V. 8

Obviamente, Melquisedeque morrera. Mas como foi sem pai, sem mãe e sem genealogia (por não se ter notícia de seu nascimento), ainda vive (não se tem notícia de sua morte). É uma linguagem figurada. Jesus existia antes de Abraão (Jo 8.56-58). Em João 8.58, o “Eu sou” (Ego eimí, no grego, correspondente ao NOME SAGRADO, em hebraico e aramaico) provoca uma reação irada dos ouvintes: Jo 8.59. Jesus é EU SOU, enquanto Abraão e os demais “foram”.

 

CONCLUSÃO

A grande diferença do cristianismo é Jesus. Quem diz que “todas as religiões são iguais” fala bobagem. Elas não o são. Primeiro, a pessoa não pesquisou todas as religiões. Depois, o cristianismo é uma pessoa, a mais singular, a mais fantástica de todos os tempos, Jesus de Nazaré. Não são doutrinas nem práticas, mas Ele. “Mas vós, quem dizeis que Eu sou?” (Mt 16.15). Seus próprios adversários disseram dele: “Nenhum homem jamais falou como este Homem!” (Jo 7.46). Ele é superior. A Abraão, a Levi, a Moisés, a quem quer que seja.