“O procedimento do povo do novo pacto” – Hebreus 10.15-25

IGREJA BATISTA CENTRAL DE MACAPÁ

ESTUDO BÍBLICO EM HEBREUS

“O procedimento do povo do novo pacto” – Hebreus 10.15-25

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

INTRODUÇÃO

Já vimos a ideia de novo pacto e novo tempo apresentados pelo autor de Hebreus. No texto hoje estudado, ele mostra que a nova aliança fora profetizada em Jeremias 31.33-34. No v. 18, por causa dela, reafirma o fim do sacerdotalismo judaico. O tempo novo é o de Cristo. A seguir, passa a mostrar como a igreja (o povo do novo pacto)  é e como deve proceder.

  1. TEM ACESSO À PRESENÇA DE DEUS – VV. 19-21

Esta é uma das grandes doutrinas do protestantismo: o sacerdócio universal de todos os salvos. Temos acesso a Deus Pai. Jesus abriu um caminho para o Pai, que é ele mesmo (v. 20, cf. Jo 14.6). Ninguém precisa de um mediador ou de uma entidade especial, porque tem a Deus como Pai e pode pedir a ele. Não se manda recado a um Pai. Fala-se com ele. Nem precisa “ir ao centro abrir caminho”. Jesus abriu o caminho. Não são nossas virtudes nem a autoridade de algum sacerdote. É ele. Ele abriu o caminho.

 

2. BUSCA A PUREZA DE ALMA – V. 22

Jesus abriu o caminho. Posso chegar de qualquer maneira? Para a salvação, sim. Para a vida com ele haverá transformação. Ele transformará. Coração sincero (motivações não falsificadas), convicção de fé (certeza, sem dúvida – 11.6) coração aspergido (rito de purificação – purifique sua consciência), corpos lavados com água pura (ritos batismais).  Corpos é sôma, a personalidade. Submeta sua personalidade a Deus. “Sou assim mesmo e não mudo!”. Se v. está em Cristo, deve mudar. 2Co 5.17. Relacionamento com Deus muda as pessoas. Santos trogloditas? Seja puro!

 

3. MANTÉM FIRMEZA DE FÉ – V. 23

“Confissão da nossa esperança”. “Esperança”, aqui, tem o sentido da totalidade da doutrina cristã. Não se pode ter uma crença tipo picadinho. Creio em Jesus, mas não na vida eterna. Creio em Jesus, mas não aceito a igreja; creio em Jesus, mas batismo, ceia e missões, não.  É uma totalidade, a esperança como um todo. Deus é fiel em todas as promessas e no todo da revelação. Nosso credo é uma esperança. Deus interveio na história, e Jesus virá consumar a história. Entre os dois pontos, há o cuidado e o agir divino em nossa vida.

 

4. ESTIMULA OS IRMÃOS – VV. 24-25

Crente isolado. “Uns aos outros”. Vida cristã é relacional. Há quem deguste (do verbo “degustar” mesmo!) a vida alheia. Como há fofocas nas igrejas! “Animemo-nos uns aos outros”. Apoio mútuo. Não se afastar: v. 25. Sinagoguê, lugar de culto.  Congregação local. Crentes que são membros de uma, mas têm coração em outra. Atendidos e apoiados em uma igreja local, não investem nela, e sim em algum teleevangelista que não presta contas a ninguém (mas quer ver as contas da sua igreja!). V. se congrega, tem prazer, é referencial para os outros?

 

CONCLUSÃO

Nova aliança: para dar utilidade à nossa vida. Alguns querem ser atendidos, mas não servir. São clientes, nunca garçons. V. é do novo pacto. Vive como gente do novo pacto? Sua vida acrescenta à igreja, é útil aos demais, ou apenas pensa em receber? O padrão é Jesus: Mc 10.45. V. é útil?