UM DEUS PESSOAL

UM DEUS PESSOAL

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 28.7.13

Relendo meus escritos, encontrei uma anotação que fiz de um sermão que Meacir pregou num café evangelístico, num restaurante, em Campinas. Disse ela: “Deus ama as pessoas como indivíduos, e não como massa; é um amor por pessoas e não por uma multidão indefinida”.

Há quem ame a humanidade e odeie o homem real e concreto. É fácil amar abstrações. Muita gente diz amar o povo e comete atrocidades contra o indivíduo! Em nome do povo fazem-se ditaduras de direita e de esquerda. Em nome do povo, povo é morto. Em nome da liberdade para o povo, tira-se a liberdade do povo. Humanidade e povo são abstrações.

Deus não lida com o homem abstrato, com idealizações, mas com a pessoa. Seu trato com o homem nas páginas da Bíblia prova isso. Ele não disse: “Não temas, ó homenzinho…”, mas “Não temas, Abrão…” (Gn 15.1). Também não disse: “Ó homem, ó homem, não te chegues para cá…”, mas “Moisés, Moisés!” (Êx 3.4). Ele sabe os nomes das pessoas: “O teu nome é Jacó; não te chamarás mais Jacó, mas Israel será o teu nome” (Gn 35.10).

Jesus também lidou com o homem real, concreto, histórico e não com abstrações e conceitos. Não disse “Desce, ó baixinho!”, mas “Zaqueu, desce depressa…” (Lc 19.5). O Pai e o Filho sabem nossos nomes. Para o Estado somos um número. Para políticos, somos povo. Para outros, massa. Nas empresas, um código de barras. Para Deus somos pessoas, indivíduos.

Ele nos conhece. “Os teus olhos viram a minha substância informe, e no teu livro foram escritos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles” (Sl 139.16). Além de nos conhecer, tem um propósito para nós. Não somos acidente da natureza ou produto do acaso. Somos criação de um Deus pessoal, não de uma energia cósmica, força cega, impessoal, mas de um Deus de amor. Um Deus relacional. A maior prova de seu desejo de se relacionar conosco se vê na pessoa de Jesus. Ele morou aqui. “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós…” (Jo 1.14). E graças à misericórdia de Deus, um Deus pessoal e relacional, este desejo dele de viver com os homens, um dia se concretizará definitivamente: “Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles” (Ap 21.3).

Cremos em Jesus. Não numa força, numa energia, ou na natureza. Cremos num Deus pessoal, relacional, que entrou na história na pessoa humana concreta, temporal e espacial chamada Jesus. E que um dia nos levará para vivermos com ele. Por causa da obra de Jesus.

Cremos num Deus que ama pessoas, e num Salvador que sabe nosso nome. Ele sabe quem somos. Não creia em anjos, espíritos, magnetismo ou vibrações cósmicas. Creia no Deus Verdadeiro e no seu bendito Filho, Jesus Cristo, sua manifestação histórica! Nisto vale a pena crer!