Que a vontade de Deus se cumpra! (desde que coincida com a nossa!)

“Seja a resposta boa, seja má, obedeceremos à voz do SENHOR nosso Deus, a quem te enviamos, para que tudo vá bem conosco, obedecendo à voz do SENHOR nosso Deus” e “Foram para a terra do Egito, em flagrante desobediência à voz do SENHOR, e chegaram a Tafnes”   – Jeremias 42.6 e 43.6 – Almeida Século 21.

A liderança política de Judá procurou Jeremias e lhe pediu para consultar ao SENHOR. Deveriam ir para o Egito ou não? Estavam dispostos a obedecer, fosse a resposta boa ou não. Que atitude bonita! Vemos tanta gente assim, hoje, que quer saber a vontade de Deus para sua vida e se dispõe a cumpri-la, independente de qual seja. Isto é que é submissão!

Dez dias depois, a palavra do SENHOR veio a Jeremias, e ele chamou Joanã e os demais líderes da nação e lhes deu a resposta. Não deveriam ir para o Egito, e sim ficar em Jerusalém. A resposta fora dada e agora era a hora de cumprir a disposição de obedecer.

Foi uma indignação: “Então falaram Azarias, filho de Hosaías, e Joanã, filho de Careá, e todos os homens soberbos, dizendo a Jeremias: Tu dizes mentiras; o Senhor nosso Deus não te enviou a dizer: Não entreis no Egito para ali peregrinardes” (Jr 43.2). O povo foi para o Egito e arrastou Jeremias e seu secretário, Baruque, consigo. E a obediência tão pomposamente afirmada antes? Bem, Deus não confirmou a vontade do povo, e assim este se recusou a obedecer. Bem típico de muita gente, ainda hoje. Se a Bíblia confirma sua posição, cumpra-se. Se não corrobora sua posição, então busque-se alguma outra fonte. O que importa é que a vontade do homem se cumpra.

“Que a vontade de Deus se cumpra, desde que coincida com a nossa!” parece ser o lema de muitos crentes. Boa parte deles não quer obediência, mas tranqüilidade. Correção, nem pensar. Conforto, sim. A mensagem deve ser sempre de promessa e de consolação. O crente nunca pode ser admoestado ou corrigido. Nas classes de Escola Bíblica, com facilidade, o tema “O que a Bíblia diz” é substituído por “Eu acho assim, ó”. As pessoas não querem ouvir a voz de Deus e sim que sua voz seja ouvida. Aliás, em muitos cultos, depois de se cantar por uma hora, não há mais tempo para a mensagem do pregador. Mas isto parece não incomodar muita gente. Ouvir Deus, para essas pessoas, não é importante, mas falar de Deus, isto sim, é. É bom porque dá a impressão de espiritualidade, de que algo de muito espiritual foi feito, mas nos protegemos, mantendo Deus à distância. Não deixamos sua voz soar em nosso coração.

Ouvir a voz de Deus é problemático. Ela pode nos desafiar, e queremos comodidade. Ela pode nos pedir mudança, e queremos que ele nos mantenha estáveis. Ela pode nos pedir que abandonemos o pecado, e queremos que ele nos abençoe em nossos pecados.

Queremos a voz de Deus, mas fazendo um dueto com a nossa, sendo a segunda voz. Que nos acompanhe em segundo plano para a nossa brilhar. Assim, muitas vezes vamos para o Egito, somos machucados, perdemos a bênção, e culpamos os outros. E ai dos profetas que nos advertem, dizendo a verdade.

A verdade de Deus nem sempre é agradável. Mas é sempre segura. Ouça a voz de Deus, e não atribua aos seus desejos o status de voz divina. Firme-se na Palavra de Deus. Não é se você gosta ou não do que recebe. Mas deve cumprir. Adapte sua vida ao ensino bíblico e nunca torça a Palavra para acomodar seus sonhos de ir para o Egito. Você pode se dar mal. Por certo que se dará mal.