“O CAMINHO É A SENHORA QUE FAZ”

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 10.6.12

                Domingo passado, findo o culto, o alarido habitual no gabinete pastoral. Entra gente, sai gente, crianças pegando o “bombons” (como chamam as balas doces, aqui no Amapá) e adultos batendo papo. Meacir estava preocupada com uma nova convertida, com filho de colo um pouco pesado, que mora a onze quadras da igreja e faria o percurso a pé, no calor macapaense. Perguntou a um casal motorizado se o caminho deles era o da nova crente. Pensou obter-lhe uma carona, já que iríamos a outro lugar. Algumas vezes a levamos, mas tínhamos outro itinerário.

A resposta da irmã consultada foi memorável: “O caminho é a senhora que faz!”. Fosse preciso levar alguém, o casal levaria, mesmo saindo de sua rota. Era só dizer qual era o caminho, que eles levariam a jovem mãe com o filho. Uma resposta tão simples, mas por trás dela, a compreensão de muitas verdades.

A primeira é que estamos na igreja para servir uns aos outros. Por que deixar uma jovem mãe levar um filho no colo sob o calor daqui, quando há tanta gente com carro? Sair de uma rota por quinhentos, seiscentos metros, não seria um prejuízo tão grande. Uma pessoa da igreja seria servida!

A segunda é que Deus nos dá recursos para que os usemos na sua obra. Muita gente põe um adesivo no carro: “Presente de Deus”. Nada nosso é presente de Deus. Tudo é dele, porque somos dele. E usamos para nós e para o serviço dele.

A terceira é a humildade da pessoa consultada. A consulta não soou um incômodo, mas como uma oportunidade de fazer alguma coisa, e com alegria se pôs à disposição. Faria o necessário. Com prazer.

A quarta é que o casal tem filhos. Não pensou que eles tinham que ir logo para casa, mas envolveu toda a família no serviço a alguém. Ensinou aos filhos que a vida cristã é utilidade.

Muita gente não entendeu a beleza da vida cristã e é apenas um membro de igreja com vida espiritual mais seca que bacalhau de mercado. Gente que quer receber e quer ser paparicada na igreja: “O caminho sou eu que faço”. Ou seja, as coisas devem convergir em sua direção para seu benefício. Lembro-me de um crente, numa igreja que pastoreei, que se sentava atrás de uma coluna, para eu não vê-lo, e na segunda-feira me ligava para saber se eu sentira sua falta. Pode uma coisa dessas?

“O caminho é a senhora que faz” foi uma das frases mais bonitas que ouvi como pastor. O que a irmã disse foi isto: “Diga-me o que eu devo fazer!”. Ela entendeu a vida cristã! Não porque obedeceu à minha esposa, mas porque viu na sua consulta a oportunidade de servir a alguém.

Falando nisto: quem é que faz seu caminho?