HEBREUS 8.1-6 – “O mais importante de tudo”

IGREJA BATISTA CENTRAL DE MACAPÁ

ESTUDO BÍBLICO EM HEBREUS – 15.5.13

HEBREUS 8.1-6 – “O mais importante de tudo”

 

INTRODUÇÃO

É assim que começa o capítulo: “Ora, o mais importante de tudo o que temos afirmado” (v. 1). Conforme o rodapé da King James, em grego equivale a “resumo essencial”. Ele vai resumir o que disse. Vejamos o resumo do seu arrazoado.

 

1. “TEMOS UM SUMO SACERDOTE…” – V. 1

O Sumo Sacerdote entrava no lugar santíssimo, o debir, uma vez por ano, no Yom Kipur, o Dia do Perdão. Ele conseguia o perdão para o povo, mas com prazo de validade, por um ano. Tinha que ser renovado, no ano seguinte. Jesus, no debir celestial, fez um sacrifício único. Resolveu o problema do pecado de uma vez por toda (Hb 9.25, 28).

2. “O QUAL SE ASSENTOU…” – V. 1

O Sumo Sacerdote fazia seu trabalho em pé. Por duas razões: (1) Era um trabalho que nunca se acabava. No ano seguinte ele voltaria; (2) Ele não era dali, não podia permanecer ali. Quanto a Jesus: (1) Ele terminou: “Está consumado!” (Jo 19.30); (2) Ele era dali. Aquele era o seu lado. Com a ascensão, ele voltou para o lado de lá (At 1.9). Ele pôde se sentar (Hb 10.12).

 

3. “À DIREITA DO TRONO DA MAJESTADE NOS CÉUS” – VV. 1-2

Aquele santuário de Jerusalém era uma cópia do celestial (v. 5). O santuário em que Jesus entrou foi erguido por Deus (v. 2). Assentar-se à direita do Rei era partilhar do seu trono. Com sua morte e ressurreição, Jesus foi constituído, por Deus Pai, como Senhor e Cristo (At 2.36). Ele continua no santuário celestial, como nosso sacerdote. Intercede por nós (Hb 7.25).

 

4. “ERA IMPRESCINDÍVEL…” – V. 3

O Sumo Sacerdote oferecia sacrifício por si, primeiro. Oferecia um animal perfeito, sem mancha. Jesus se ofereceu a si mesmo. Ele era perfeito e sem mancha moral e espiritual. Foi o Sacerdote e foi a vítima. Apresentou-se ao Pai, na eternidade, para resolver a questão (Hb 10.3-7. O Filho Eterno decidiu morrer em nosso lugar ainda na eternidade (Ap 13.8).

 

CONCLUSÃO

A obra de Jesus é superior à de qualquer fundador de religião. Ele foi o homem perfeito, sem pecado. Assim nos representou na cruz, como sacrifício. Ele era Deus feito homem. Assim soube o que é ser homem. Conhece-nos por ter sido um de nós, e se compadece de nós. Ele representou Deus na cruz. Na cruz, Deus e o homem se encontram. Na cruz Deus nos reconcilia consigo: 2Coríntios 5.19. Fixemos os olhos na cruz, no Cristo crucificado. Não na pomba ou no trono, mas no Cordeiro e na cruz.