A Poderosa Influência da Bíblia

A Poderosa Influência da Bíblia

            O Pr. Jerry Key, num trabalho sobre a Bíblia, transcreve uma experiência vivida pelo Dr. João Soren, que por mais de cinqüenta anos pastoreou a PIB do Rio:

Nunca vou me esquecer daquela manhã tão fria de 23 de fevereiro de 1945. A infantaria brasileira servindo na Itália com o Quinto Exército Americano acabara sua mais sangrenta luta nos contrafortes das Montanhas Apennine Italianas, onde a neve do rigoroso inverno já começara a decair. Como capelão da Divisão Brasileira eu parti em busca dos corpos dos soldados que tinham caído na batalha, e que durante os meses de inverno ficaram enterrados debaixo da neve naquela terra de ninguém. Depois de algum tempo encontrei o corpo dum jovem sargento que desde criança tinha participado da Escola Bíblia Dominical da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro… Ele usara toda sua munição e os sinais evidenciavam que, enquanto estava se preparando para participar do ataque final ao objetivo, um projétil inimigo furara seu peito. Porém, não morrera de imediato. Tivera tempo para colocar sua mão no bolso e tomar o Novo Testamento com Salmos que o capelão lhe dera, e o abrira no Salmo do Pastor. Evidentemente enquanto a morte ia chegando ele lia: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará”. Sua cabeça então caíra para frente o fluxo de sangue havia colado as páginas ao rosto congelado. Naquele momento crucial o soldado que estava morrendo volveu-se para Aquele que nunca falha (Ohm, Golden Jubilee Congress, p. 158).

            Você soube de alguém que morrendo pedisse que lessem um livro secular, de qualquer ciência? Ouviu falar de alguém que precisando de consolo buscasse-o um livro pornográfico? Soube do livro de algum cético ou zombador da fé que confortasse alguém em meio ao sofrimento? Quando chegar minha hora de morrer, se estiver lúcido, quererei ler ou ouvir a leitura da Bíblia. Você sabe de algum livro que mais tenha transformado vidas, recuperado pessoas, levantado caídos, e transformado depravados em santos e lares destroçados em pedaços do céu na terra?

            Zombada e posta em xeque, a Bíblia fez mais pela humanidade que qualquer outro livro. Ela é fantástica. Levou cerca de 1.400 anos para ser escrita. Seus autores humanos foram de incrível diversidade: líderes políticos, militares, administradores, reis, poetas, pescadores, sacerdotes, nobres, camponeses, médico, etc. Foi escrita no deserto, nas montanhas, nos navios, na cadeia, nos palácios, nas casas, no templo. Foi escrita em três línguas originais, hebraico, aramaico e grego. E é incrivelmente coerente. Traduzida em centenas de idiomas e dialetos, é o livro mais vendido no mundo.

            Quando lhe falarem da “milenar sabedoria oriental”, lembre-se que a Bíblia é trimilenar. Quando lhe citarem algum provérbio banal, lembre-se que ela tem provérbios de profundo conteúdo. Quando lhe citarem algum erudito contemporâneo que a nega ou que dela zomba, lembre-se que milhares deles fizeram isto no passado. Jazem na poeira do tempo e seus livros na poeira das prateleiras. Ela continua atual. Modelou sociedades e produziu as mais belas páginas da história. Pessoas podem tê-la interpretado mal e usado-a para seus fins. Assim como se podem deturpar coisas santas, há gente que honra ditadores assassinos e os vê como heróis da liberdade. Uma coisa é o que as pessoas dizem. Outra são os frutos. Os frutos da Bíblia são os mais belos da humanidade. Tanto em páginas da literatura que nela veio se abeberar, como em conforto e transformação de vidas. Livro algum, ensino algum, discurso algum se compara com o seu teor.

            Ame sua Bíblia. Leia-a e diga como o salmista: “Todas as tuas palavras são verdadeiras; os teus mandamentos são justos e duram para sempre” (Sl 119.105, NTLH).

            Isaltino Gomes Coelho Filho