O Turista Alemão Entrou Numa Fria…

 O Turista Alemão Entrou Numa Fria…

    Veio da agência Reuters, dia 29 de dezembro:
“Um turista alemão de 21 anos que queria visitar sua namorada na cidade australiana de Sydney aterrissou a 13 mil quilômetros dali, em Sidney, Montana, depois de se confundir ao selecionar o destino em sua reserva na Internet. De camiseta e calças curtas, preparado para o verão australiano, Tobi Gutt partiu da Alemanha no sábado para uma viagem de quatro semanas.  Mas, em vez de chegar na Austrália, Gutt desceu em um continente diferente, no gelado Estado de Montana, Estados Unidos”.

    Gutt fez escala no Oregon, EUA, e depois em Billings, Montana. Descobriu o erro nesta cidade, quando ia embarcar para Sidney, cidade americana, petroleira, de 5.000 habitantes. Ficou três dias no aeroporto desta cidade, até que amigos e parentes lhe enviaram 600 euros para comprar bilhete para a Austrália. Sua mãe disse que não notou o erro  “porque meu filho normalmente é muito bom com os computadores”.  O próprio Gutt teve dúvidas. Disse: “Tive minhas dúvidas, mas não quis dizer nada. Perguntei a mim mesmo se era possível voar à Austrália passando pelos Estados Unidos”.  
    Ele pode ser bom com computadores, mas é ruim de geografia e fraco em gramática.  Sydney não é Sidney, Austrália e EUA ficam distantes, e lhe faltou noção de tempo.  Sua namorada que se cuide. Ele é meio parvo.
    Parece engraçado. Até porque aconteceu com os outros. Mas no dia final, muita gente descobrirá que embarcou erradamente. Pensou que estava no caminho certo e descobrirá que estava no caminho errado. Seguiu o tradicionalismo religioso dos pais em vez de seguir a verdade. Ou preferiu a comodidade em vez do certo. Tomou o avião do erro e da apatia espiritual, e chegou no lado oposto ao que queria chegar. Pensou que era tudo igual, porque tudo falava de Deus, mas descobrirá que isto não significa nada. A serpente usou o nome de Deus no célebre discurso com Eva. Foi a primeira teóloga, interpretando a palavra de Deus. Daí se vê que usar o nome de Deus não significa muito.
    Outros terão embarcado no vôo do exotismo e não no vôo certo, chamado Jesus. Disse ele: “Quando aquele dia chegar, muitas pessoas vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome expulsamos demônios e fizemos muitos milagres!’. Então eu direi claramente a essas pessoas: ‘ Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal!’” (Mt 7.22-23).
    Que declaração! Jesus diz que expulsar demônios e fazer milagres não significa, necessariamente, estar salvo. Ser religioso e chamar a Jesus de Senhor não significa estar salvo. No dia final, haverá religiosos “cheios de poder”  que serão condenados. Nós nos iludimos com a pompa, com a aparência, com o gestual e indumentária. Ele conhece os corações.
    A frase inicial desta desconcertante palavra de Jesus nos esclarece: “Não é toda pessoa que me chama de ‘Senhor, Senhor’ que entrará no Reino do céu, mas somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu”  (Mt 7.21). Que vontade é esta? O que Deus deseja que façamos? Lemos em João 28-29:
   “- O que é que Deus quer que a gente faça? – perguntaram eles.
    – Ele quer que vocês creiam naquele que ele enviou! – respondeu Jesus”.
    Esta é a  rota certa, absolutamente segura. Crer em Jesus Cristo, o enviado de Deus para nos salvar. Não é religiosidade ou rótulo, mas o compromisso de seguir a Cristo. É preciso crer em Jesus Cristo. “Aquele que crê no Filho não é julgado; mas quem não crê já está julgado porque não crê no Filho único de Deus”  (Jo 3.18). A fé em Jesus Cristo como Salvador é o bilhete seguro para o lugar certo. Qualquer outra atitude é tomar o vôo errado.
    Não faça como Gutt. Acerte na sua passagem. Creia em Jesus Cristo. Não entre numa fria.
    Isaltino Gomes Coelho Filho