Irmãos na Fé ao Redor do Mundo

Irmãos na Fé ao Redor do Mundo

            Ler A jornada, livro mais recente de Billy Graham, edificou-me muito.  Ele expressa amor e gratidão pela vida de Ruth, sua esposa (recém falecida), e manifesta, em cada linha, uma profunda vivência com Deus. Parece que cada página foi regada por oração. Quanta espiritualidade! É mesmo um homem de Deus!

 

                Na página 128 há o tópico “Através do mundo”, no qual ele narra três das suas experiências que mostram a fraternidade em Cristo que há em todo o mundo. Em 1959, auge da Guerra Fria, ele foi a Moscou como turista. Aproximou-se nervoso da mulher da imigração. Ela examinou cuidadosamente seu passaporte. Depois, olhando cautelosamente ao redor, certificando-se de que ninguém os via, deu-lhe um grande sorriso e em silêncio apontou para cima, no sinal cristão de “O Caminho”. Diz ele: “Em meio ao feroz ateísmo da União Soviética, ela era uma companheira crente em Cristo”.

 

                Dias depois, ele assistia as comemorações pelo Dia da Vitória, perto do Kremlin. Um homem com o peito coberto de medalhas militares colocou-se em silêncio ao seu lado. Sem dizer nada, desenhou uma cruz no chão poeirento, com a ponta da bengala. Também era um crente em Jesus.

 

                Na mesma viagem, estava ele no lado de fora de um hotel. Um ônibus desembarcava pessoas. Pelas janelas embaçadas pela garoa, uma passageira olhou para ele. E desenhou uma cruz na janela úmida. Outra irmã na fé, embora nem se falassem.

 

                Vinte e cinco anos depois ele pode pregar na Primeira Igreja Batista de Moscou. Centenas de pessoas superlotavam o templo, engarrafando os corredores e ficavam do lado de fora da Igreja, atentas ao culto.

 

                O tópico seguinte no livro se chama “Não estamos sós”. É verdade. Somos uma grande família, em Cristo, ao redor do mundo. Segundo a Bíblia, igreja não é um prédio nem uma instituição. É sempre gente. A reivindicação da Igreja Católica em ser a única igreja mostra o quanto ela desconhece a Bíblia. Igreja é um ajuntamento de pessoas. Podemos lhe dar um sentido organizacional e institucional, por questões culturais e legais. Mas “igreja” é o povo de Cristo. É o conjunto dos que crêem em Cristo como Salvador. É a família da cruz.

 

                A igreja é a mais fantástica organização que há no mundo. Nasceu antes da família. Nasceu na eternidade, antes do mundo existir, no coração de Deus. Diz Efésios 1.4-6: “Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença. Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos, por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade, para o louvor da sua gloriosa graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado”.  Ela se cristalizou na história, no tempo e no espaço, graças à vida e ao ministério da mais fantástica e extraordinária pessoa que existiu, Jesus de Nazaré, o bendito Filho de Deus. Louvado seja ele!

 

                No final, quando tudo acabar, não haverá mais história, nem família (“Na ressurreição, as pessoas não se casam nem são dadas em casamento; mas são como os anjos no céu” – Mateus 22.30), mas haverá igreja. Ela nasce na eternidade, entra na história por causa de Jesus, e volta para a eternidade para viver com Jesus, que a formou com seu sangue (Ap 5.9-10).

 

                Pela graça de Deus faço parte de sua bendita igreja. Sofrida, hostilizada, machucada, traída, odiada, mas amada por Ele e por muitos de nós. Dou graças a Deus porque a igreja é feita de gente como eu, pecadora e imperfeita, em cujas vidas o Senhor está trabalhando para nos tornar semelhantes a ele.

 

                Ser igreja de Jesus, que bênção! Que maravilha! Temos irmãos ao redor de todo o mundo! Graças a Jesus!

 

Isaltino Gomes Coelho Filho