Falha humana e graça divina


Uma palestra preparada e apresentada por Meacir Carolina Frederico, para as senhoras da Igreja Batista Nova Vida, Valparaíso de Goiás

“Um carregador de água levava ao seu rei dois potes grandes, ambos pendurados em cada ponta da vara a qual carregava atravessada em seu pescoço.

Um dos potes tinha uma rachadura e vazava muita água, enquanto o outro era perfeito. Foi assim por muito tempo. O carregador entregando um pote cheio e outro pela metade.

O pote perfeito estava orgulhoso de suas realizações. Porém, o pote rachado estava envergonhado de sua imperfeição e sentia-se muito triste por ser incapaz de realizar o seu trabalho.

Um dia, após perceber que por tanto tempo havia sido uma falha amarga, o pote rachado falou para o homem, à beira do poço: ‘Estou envergonhado e quero pedir-lhe desculpas’. Por quê? Perguntou o homem. De que você está envergonhado? ‘Nesse tempo todo fui incapaz de carregar toda a água porque essa rachadura no meu lado fez com que ela vazasse por todo o caminho da casa do rei. Por causa desse meu defeito, você tem que fazer esse trabalho e não ganha o salário completo de seus esforços’, disse o pote.

O homem ficou triste pela situação do pote rachado e por compaixão falou: Quando retornarmos para a casa do meu rei, quero que percebas as flores ao longo do caminho.

De fato, à medida que caminhavam, o pote rachado notou muitas flores pelo caminho e isto lhe deu um certo ânimo. Mas ao fim da estrada, o pote ainda se sentia mal, porque tinha vazado e novamente pediu desculpas ao homem pela sua falha.

O homem disse então ao pote: Você notou que pelo caminho só havia flores no seu lado? Eu, ao conhecer o seu defeito, tirei vantagem dele e lancei sementes no seu lado do caminho e a cada dia, quando voltávamos do poço, você as regava. Por muito tempo eu pude colher flores para ornamentar a mesa do meu rei. Sem você ser do jeito que é, ele não poderia ter esta beleza para dar graça à sua casa.”

História contada, vejamos as lições para nossas vidas.

  • Todos nós temos defeitos como o pote rachado: “Se dissermos que não temos pecado, estamos nos enganando, e não há verdade em nós.” (1 Jo1.8). “Eu não entendo o que faço, pois não faço o que gostaria de fazer. Pelo contrário, faço justamente aquilo que odeio.” (Rm 7.15)

  • Não devemos temer nem criticar: Deus sabe da nossa humanidade, mas não é o acusador. Ele vê o coração contrito. “Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e humilde de espírito, para vivificar o espírito dos humildes, e para vivificar o coração dos contritos.” (Is 57.15)

  • Devemos saber reconhecer nossos defeitos ou erros: “Pois eu conheço bem os meus erros, e o meu pecado está sempre diante de mim.” (Sl 51.3)

  • Deus pode transformar o mal (ou defeito) em bem, em utilidade e beleza: “Deus mudou o mal em bem para fazer o que hoje estamos vendo, isto é, salvar a vida de muita gente.” (Gn 50.20). “Vocês serão como um jardim bem regado, como uma fonte de onde não para de correr água.” (Is 58.11)

  • Nas nossas fraquezas devemos nos tornar humildes, porque os humildes são sábios: “Quando vem a soberba, então vem a desonra; mas com os humildes está a sabedoria.” (Pv 11.2)

CONCLUSÃO: Somos vasos de barro com defeitos e precisamos do oleiro para nos refazer. “Quando o pote que o oleiro estava fazendo não ficava bom, ele pegava o barro e fazia outro, conforme queria.” (Jr 18.4). Deus pode transformar o nosso viver. De pote rachado a regador de vidas que serão como flores perfumadas, para a construção de um mundo melhor. O nosso Deus é o Deus de toda graça (favor imerecido) que transforma e dá utilidade. “Ele mesmo vos há de aperfeiçoar, confirmar e fortalecer” (1Pe 5.10). Você reconhece isto?