Por quê?

Um sermão pregado pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho no sepultamento de uma menina de colo, dirigido particularmente a seus pais, embora destinado a toda a igreja. Os nomes da menina e dos pais são omitidos, mas a mensagem é publicada na expectativa de que ajude alguém.

Esta é a primeira pergunta que nos vem à mente: “por quê?”.

Por que motivo Deus leva uma criança inocente, privando-a da vida, e permite a existência de tantos patifes e bandidos? O rabino Kushner, um dos mais lúcidos do judaísmo contemporâneo, escreveu um livro intitulado Quando Coisas Ruins Acontecem Com Pessoas Boas. Não tratou de teorias ocas e de palavras rebuscadas. Partiu de uma situação pessoal. Seu filho foi acometido de progeria, envelhecimento precoce. Com oito anos de idade já estava calvo, perdera os dentes e tinha a pele enrugada. Faleceu aos treze anos de idade, aparentando oitenta. “Por quê?”, foi a pergunta que ele se fez a si mesmo.

Perdi minha mãe aos meus catorze anos. Ela estava com trinta e dois anos. Esta foi minha pergunta: “Por quê?”. Por que há tantas mães velhas e a minha morre jovem? Por que tinha que ser a minha? São dois aspectos da pergunta: “Por que aconteceu?” e “Por que comigo?”.

Qual é a resposta?

Não há resposta. Toda tentativa de resposta será mera racionalização dos fatos. A resposta ao problema do mal tem sido objeto de discussão em teologias e filosofias. A Bíblia explica o sofrimento de muitas maneiras: pecado, falta de sabedoria, imprevidência e muitas outras razões. Mas o tratamento sempre é local, de algo específico e não geral, e superficial. O problema do mal e do sofrimento não são tratados exaustivamente. A Bíblia não se preocupa em explicar estas questões de maneira cabal.

Então, para que serve a Bíblia? De que se ocupa ela, se não trata destes assuntos, tão vitais?

As respostas a estes assuntos não são vitais. Explicar o porquê não resolve o problema. Explicou-se o que causou a morte de Ayrton Senna, mas isto não resolveu o problema: Ayrton Senna continua morto. Não fez diferença. As respostas satisfazem a mente, a especulação, atendem a quesitos filosóficos. Não resolvem o problema. É na questão de resolver o problema que a Bíblia caminha.

O enfoque bíblico não é “por que sofremos?”, porque isso não resolveria o problema. O enfoque é “como parar de sofrer”. O sofrimento é inevitável. Ele vem. Culpar Deus é a mesma coisa que culpar o arquiteto que construiu a casa onde moro, se minha vida familiar estiver ruim. O arquiteto fez a casa. Nós fazemos o lar. Deus fez o mundo e a Bíblia diz que o mundo é bom. Nós deveríamos fazer o lar. Trouxemos o pecado e suas seqüelas, entre elas a morte para o bom lar de Deus. Mas evitemos as respostas teológicas. Elas servem para as mentes, mas nem sempre para o coração.

Como parar de sofrer?

No domingo de carnaval, falei sobre Jó e meu assunto foi “Superando o sofrimento”. Mostrei que Jó parou de sofrer quando foi orar pelos amigos. Mostrei que as coisas mudaram quando ele parou de se queixar da situação, parou de buscar respostas em discussões teológicas com os amigos, cessou de questionar Deus e se quebrantou diante dele. Jó buscou ser útil e se rendeu à realidade.

Isto não resolve o problema porque vocês já são úteis e não estão se queixando. A questão, aqui, neste momento, não é queixa. É perplexidade. Mas a resposta, em termos gerais, é a mesma. Habacuque questionou a Deus pelo problema do sofrimento em nível comunitário. Jó, pelo sofrimento em nível individual. Filósofos, teólogos e nós, pelos dois tipos de sofrimento. A resposta de Deus a Jó e a Habacuque foi apregoar a sua soberania. E mais nada.

Isso ainda não resolveu o problema da pequena **********. Nem o da dor de vocês. Mas ficamos com algumas pistas soltas que agora vou amarrar.

A primeira é que vocês devem se render à soberania de Deus. Quando Isaías disse a Ezequias, “põe em ordem a tua casa, porque morrerás e não viverás”, Ezequias pediu mais tempo de vida. Teve quinze anos a mais. E gerou a Manassés, o pior homem da Bíblia. Muitas vezes, meditando nisto, fiquei pensando que Ezequias morreu depois da hora. Não sabemos do amanhã, não sabemos o que será. Só sabemos o que é e julgamos tudo pelo que é. Nós não entendemos, não temos respostas. Curvar-se diante de quem sabe mais é boa política e atitude sábia.

A segunda pista é que explicar o porquê não resolve a dor. O fundamental é parar de sofrer. E Deus ajuda a parar de sofrer. O Espírito Santo é chamado de Consolador, porque esta é uma de suas missões: trazer o consolo de Deus. Ele age na medida de nossa permissão. “Não extingais o Espírito” é uma recomendação bíblica. Pode-se bloquear sua atividade e impedir que ele traga o consolo. A Bíblia fala de Raquel chorando seus filhos e não querendo ser consolada. Não é sensato. Recusar o consolo é que carece de explicações. Não podemos impedir que nossos filhos ralem os joelhos, mas podemos trazer o mertiolate para o curativo, o abraço e o beijo que conforta a criança. Se a criança recusa isso, a atitude é mais inexplicável que o joelho ralado. O coração pode estar ralado e explicar por que é difícil, mas rejeitar o curativo e o afeto do Pai Celestial é mais difícil de explicar. Ele tem o curativo, o abraço e o carinho que vocês devem aceitar.

A terceira é que, na experiência de Jó, vemos uma terapia: a ação pelos outros. Doer, dói, mas rememorar constantemente dói mais e uma dor que não deveria mais existir. Deus conhece a terapia ocupacional. Antecipou-se aos psicólogos porque ele é o Grande Conhecedor de nossa estrutura. Jó descobriu que seus amigos estavam piores que ele. ***** e *****: vocês estão sofrendo, mas têm o Consolador. Pensem em como Deus os está capacitando para ajudarem os que sofrem e não têm o Consolador, o Espírito Santo, gente que está pior que vocês. Sofrer é ruim, mas sofrer sem Deus é muito pior. Vocês estão vivenciando como a dor é incômoda. Pensem na dor dos que não conhecem Deus. Ajudem-nos.

Na experiência de Jó há uma quarta pista: ele descobriu amigos, não os que vieram fazer discursos e perguntas, mas os que o consolaram e lhe deram alguma coisa que era deles e passaram para ele. Há amigos que vocês notam agora, que passam amizade, solidariedade, conforto e apoio para vocês. Na dor se descobre amigos. E, às vezes, é só na dor que descobrimos como somos amados.

Um cristão do passado escreveu, certa vez: “Deus pode consertar um coração quebrado, se lhe dermos todos os pedaços”. É uma experiência muito reconfortante, e falo isso com base na Bíblia e na experiência de quem já sofreu, descobrir como a graça de Deus age em nossas vidas e vai sarando e reanimando. Como cristãos comprometidos com Cristo vocês sabem disso e descobrirão isso, agora não pelo que a Bíblia diz, mas pelo que Deus fará na vida de vocês.

E quanto à pequena *********, ficam as palavras de Jesus: “ Eu afirmo a vocês que os anjos deles estão sempre na presença do meu Pai que está no céu” (Mt 18.10). Ela está na presença de Deus. Lembrem-se de como Jesus tratava as crianças. Ele não age de maneira diferente, agora. Quanto a vocês, o Deus a quem vocês servem é aquele que enxuga as lágrimas, como lemos em Apocalipse 21.4. Ele não impede que surjam situações que provoquem dor, mas ele enxuga as lágrimas. É um Deus carinhoso.

********** está com o Senhor. O Senhor está aqui com vocês. Ele é poderoso para consolar vocês e deseja enxugar suas lágrimas. Permitam isso. E dos seus irmãos recebam a solidariedade. Nós sofremos com vocês. Vocês não estão sós. Somos seus amigos.

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho