Pacificadores, uma grande necessidade!

Um estudo preparado originalmente a  revista “Você”, da UFMBB

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus” (Mateus 5.9).

Em Campinas, interior de S. Paulo, fez-se uma grande manifestação pela paz, na Lagoa do Taquaral, aprazível parque da cidade. O propósito era pedir paz para a cidade. Alguns esotéricos pediram que as pessoas fossem de branco, para passar “energias positivas” para a cidade. Seria uma “virada” no momento que a cidade vivia (na realidade, ainda vive, pois a violência campeia livre na rica, culta, limpa e bonita cidade natal de Carlos Gomes). Pois bem, roubaram vários veículos durante a manifestação, alguns com arrombamento. Houve assaltos, também. A paz não veio com a manifestação.

Paz é uma grande necessidade, mas as pessoas querem promovê-la recitando palavras de ordem, fazendo passeatas e vestindo-se de branco. Isto não tem resolvido. Mas a Bíblia nos exorta a viver a paz e Deus deseja que todos tenhamos paz. Qual é o caminho prescrito pela Bíblia para termos paz? Temos refletido sobre as bem-aventuranças. A que estudamos agora fala dos pacificadores. Quem são eles? Como agem? Vejamos alguma coisa sobre esta afirmação bíblica.

PARA QUEM É A BEM-AVENTURANÇA

Jesus não disse que a bem-aventurança é para os que amam a paz, mas para os que a promovem. Os hippies amavam a paz, mas sua postura era de se alienar da sociedade e de seus problemas. Inclusive o movimento inspirou uma canção que dizia “Parem o mundo que eu quero descer!”. Há religiões também alienantes, que pregam a paz interior através da fuga ou do isolamento. Há gente que se veste de branco, diz “quero paz”, dá um abraço simbólico no estádio do Pacaembu ou no estádio do Maracanã e pronto, acabou sua tarefa. Cumpriu o seu dever. Jesus disse que são bem-aventurados os pacificadores, os que promovem a paz. A bem-aventurança não se destina aos que amam a paz, mas aos que promovem. Não basta amar a paz. Isto é bom, mas é insuficiente, na visão de Jesus.

PAZ, O QUE SIGNIFICA, EXATAMENTE?

Vamos definir o que entendemos por paz e saber do que Jesus está falando. Para nós, paz significa cessação ou ausência de conflitos. Ter paz é não ter problemas nem crises. É uma parte da resposta, mas não é a totalidade da resposta.

Na Bíblia o conceito é sempre positivo. Não é uma cessação, mas uma ação. É mais que uma situação. É um estado a que chega pela ação, por algumas atitudes. Ao escrever a bem-aventurança pronunciada por Jesus, Mateus usou o termo grego eirene. Isto porque o Novo Testamento foi escrito em grego. Mas o universo lingüístico de Jesus era o aramaico, e sua língua religiosa era o hebraico. No hebraico, a palavra é shalom. Tornou-se até um cumprimento no Oriente. Os árabes a pronunciam como Salam, ao cumprimentar uma pessoa.

Vamos partir do mundo de Jesus para entender sua palavra. Shalom significa bem-estar, serenidade, ajuste espiritual e emocional.  A idéia mais exata é de integralidade, ser uma pessoa integral, sem brechas nos relacionamentos. Tem um sentido tridimensional: é bem-estar com o próximo, consigo mesmo e com Deus. É paz para fora, para dentro e para cima. É ter boas relações em todos os níveis da vida. Então já podemos ter uma noção do que Jesus está falando, ao analisarmos o sentido de paz.

DEUS É DEUS DE PAZ E DESEJA QUE SEUS FILHOS TENHAM PAZ

A Bíblia diz que Deus é um Deus de paz. Ao invés de cantarmos que “Jeová é homem de guerra”, faremos melhor exaltando seu amor e seu desejo de que tenhamos paz e vivamos em paz, porque ele é o Deus da paz.

É verdade que lemos assim em Romanos 16.20: “E o Deus de paz em breve esmagará a Satanás debaixo dos vossos pés”. Ele pretende acabar com o inimigo que promove a discórdia e a guerra. Mas este versículo não nos autoriza a cantarmos que ele é guerreiro. Isto se aplica à sua luta cósmica e escatológica com Satanás. Para conosco ele é Deus de paz.

Diz Filipenses 4.9: “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco”. E lemos em 2Coríntios 13.11: “Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco”. E em 1Tessalonicenses 5.23: “E o próprio Deus de paz vos santifique completamente…”.  E, por fim, fiquemos com esta expressão de Hebreus 13.20: “Ora, o Deus de paz, que pelo sangue do pacto eterno tornou a trazer dentre os mortos a nosso Senhor Jesus, grande pastor das ovelhas”. Outros versículos poderiam ser citados, mas estes nos mostram que o Novo Testamento apresenta Deus como Deus de paz, que traz paz para seu povo.

Alguém dirá: “Ah, mas no Antigo Testamento Deus ordenou muitas guerras!”. O contexto é outro e nossa linha de argumentação segue outro caminho. Mas no Salmo 122.7-8 vemos que Deus deseja a paz para seu povo: “Orai pela paz de Jerusalém; prosperem aqueles que te amam. Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus palácios. Por causa dos meus irmãos e amigos, direi: Haja paz dentro de ti”. Ele quer que seu povo viva em paz.

No Novo Testamento, uma das últimas bênçãos de Jesus aos seus discípulos está em João 14.27: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”. Este texto é chamado de “O último testamento de Jesus à sua igreja”.

Portanto, podemos afirmar que o desejo de Deus é que vivamos em paz. É para o seguidor de Jesus viver em paz. Há igrejas que vivem em constantes conflitos. Como brigam, como têm dissensões! Há crentes que vivem em conflito com os outros e consigo. Como pode ser isto? É para termos paz. Com Deus, conosco e com o próximo. É desejo de Deus. É vontade expressa do Senhor para nossa vida.

OS PACIFICADORES

Mas o texto fala de “pacificadores”, mais que de “paz”. Como são eles? Podemos apontar dois aspectos: (1) Passivo: os pacificadores são pacíficos. Isto não contradiz o que foi dito antes. É que uma pessoa brigona, ranzinza, não pode pacificar nada. O pacificador é alguém que busca viver em paz com Deus (e tem esta paz porque Cristo a conseguiu na cruz), busca viver em consigo, ou seja-se, aceita-se. Não é alguém em constantes crises emocionais e com conflitos de identidade, sem saber quem é e o que fazer. É uma pessoa que deu rumo à sua vida. E busca viver bem com os outros. É alguém que se esforça para manter a paz.

Tem paz com Deus, como lemos em Romanos 5.1: “  “.

Tem paz com os outros porque sabe perdoar, como lemos em Efésios 4.32: “ “

Tem paz consigo porque tem noção correta de valor pessoal: “ “ (1Co 4.3 –)

(2) Ativo: é alguém que age para ser pacificador, como podemos ver na atitude de Paulo em Filipenses 4.2: “ “ . E age para levar as pessoas a terem paz com Deus, como podemos ler em Romanos 10.13-15: “ “. O pacificador tem paz e espalha paz.

SERÃO CHAMADOS FILHOS DE DEUS

O prêmio prometido a esta bem-aventurança é elevadíssimo. Gostamos de citar João 1.12 ( “ “). Sim, todos que receberam Jesus têm este direito! Mas aqueles que são encrenqueiros nem sempre mostram isto!   Quem é filho de Deus tem paz. E mostra que é filho de Deus promovendo a paz. Há cristãos que brigam ofendem, magoam, dividem igrejas, e dizem que são filhos de Deus. Será possível? Deus é Deus de paz, já vimos. O filho tem caráter do pai. Um filho de Deus deve ter o caráter de seu Pai celestial. Parafraseando Lucas 6.36: “sede de paz…”

CONCLUSÃO

A vida do cristão espalha a paz. Ele mostra que Jesus efetuou mudança na sua vida.  A nossa vida  mostra isso? Um cristão vive em paz. Vivemos?  Quantos vivem aflitos, angustiados, de constante mau humor! Este não é o caráter cristão.  Um filho de Deus brigão? Criando divisões? Sendo fofoqueiro? Ler Judas 19 faz bem.

Um de nossos hinos diz “Pai, faz-nos um”. Esta oração é um equívoco.  Ele já nos fez um: “ “ (Ef 2.14)”.   Por isto, um bom conselho para nós é:  (Cl 3.12-17).