Um conceito bíblico de ética

Isaltino Gomes Coelho Filho

Na língua hebraica não há uma palavra específica que corresponda ao conceito de ética entre os ocidentais. O mais próximo seria hallakah, do verbo halaq, que significa “andar”. Para os hebreus, a vida era uma caminhada, o que se pode ver no Salmo 1, e viver bem demandava saber andar corretamente. Isto também se entende da ordem de Deus a Abraão: “Anda em minha presença; e sê perfeito” (Gn 17.1).

Mas não se anda nu. Anda-se vestido. Pelo menos no tempo bíblico. Por isso que o Apocalipse diz que o linho (um dos tecidos mais elegantes da época) são as boas ações do povo de Deus (Ap 19.8). Em contrapartida, o pecado se associa com a nudez (Gn 3.7 e Ap 3.18). Andava-se vestido, e bem vestido. Tanto física quanto moralmente.

Para os cristãos, o homem sem Cristo estava vestido com uma roupa suja. Em Cristo ele passava a ter uma roupa limpa. Seguir a Cristo implica numa troca de roupa, tirando-se a suja e vestindo-se a limpa. Em Efésios 4.22 somos exortados a despojar-nos do homem velho, a natureza antiga. O verbo grego para “despojar” tem o sentido de troca de uma peça de roupa suja. Em Efésios 4.24 somos exortados a nos vestirmos com a nova natureza. A conversão é trocar de roupa suja (o velho homem) por uma roupa limpa (o novo homem). Lembremos que, conforme 1Coríntios 6.11, fomos lavados no sangue de Cristo. No sangue dele fomos purificados. Não podemos vestir a roupa suja após o banho regenerador. Estávamos sujos, fomos banhados e purificados no seu sangue, e devemos vestir uma roupa nova.

Ética cristã não é um bicho de sete cabeças nem um monte de regras por cumprir. É apenas lembrar que, regenerados e lavados, passamos a viver um novo estilo de vida. Paulo foi bem claro: “Portanto, em nome do Senhor eu digo e insisto no seguinte: não vivam mais como os pagãos, pois os pensamentos deles não têm valor” (Ef 4.17). Um convertido deve viver como um convertido, tendo a mente de Cristo (1Co 2.16) e não a mente do mundo, disseminada pela mídia.

Você é um seguidor de Cristo? Segui-lo é mais que cantar corinhos e fazer coreografia num culto. É comprometer-se com ele. É assumir os padrões do evangelho. É pautar-se por ele, e não pela agenda dos sem Cristo. Há quem queira Cristo e o mundo, fazendo do evangelho um almoço por quilo, em que se escolhe o que se quer. O evangelho é fechado: uma vida transformada por Cristo, com direito às suas promessas, comprometida com ele e vivendo os padrões dele.

Se você é de Cristo, não apenas mude de roupa. Jogue a antiga fora. E não pense que a nova é para os outros. É para você. Vista-a. Isto é, assuma os valores do reino de Cristo.