“IGREJA JÁ ERA! NÃO ME ACRESCENTA NADA!”

            Esta frase me foi dita por um suposto crente em Jesus, cujo esporte predileto é jogar pedra na igreja.

            Tal pessoa não entendeu o que a Bíblia ensina sobre a vida cristã, não tem noção do que é igreja, e não se vê como serva, mas como consumidora a ser bajulada.

A igreja não existe em função de nós mesmos. Ela é um espaço de serviço a Deus e aos demais. Deus nos deu dons para usar em prol dos outros: “Assim também vós, já que estais desejosos de dons espirituais, procurai abundar neles para a edificação da igreja” (1Co 14.12). Quem diz que “serve a Deus e não aos homens”, é enfatuado e não entendeu a vida cristã.

Não somos igreja para sermos agradados, mas para servirmos. E não apenas servir a Deus, mas também aos outros. A Bíblia diz: “Servindo uns aos outros conforme o dom que cada um recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus” (1Pe 4.10).

Não existe vida cristã à parte da igreja. Schaeffer disse que “a salvação é individual, mas não individualista”. Outra pessoa me disse: “Já me converti, mas vou orar para saber se devo me batizar”. Esta também não entendeu nada. Quem se converteu, deve se batizar e assim se tornar igreja. Para o convertido, o batismo não é uma opção, mas ordenança. São pessoas egocêntricas. Colocam-se no trono de sua vontade e entendem a vida cristã como um conjunto de opções que elas podem ou não fazer.  Quem se converteu deve se batizar e se tornar igreja, que é onde Deus ajunta os convertidos. Ela é o corpo de Cristo. Isto diz respeito, também, à igreja local. Paulo disse aos coríntios: “Ora, vós sois corpo de Cristo, e individualmente seus membros” (1Co 12.27). A igreja local é o corpo de Cristo! Ela tem imperfeições? Seus críticos também! E exatamente por isso foram tornados corpo de Cristo. Para serem ajudados pelos outros a melhorarem.

Há muito de vaidade nas críticas à igreja. Dos incrédulos, se aceita. Mas de pessoas que se dizem convertidas, se espera amor pela igreja. Cristo a ama: “Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5.25).

Quem não ama a igreja, o conjunto de salvos, não ama a Deus. Porque isto é um mandamento: “E dele temos este mandamento, que quem ama a Deus ame também a seu irmão” (1Jo 4.21). Quem não ama o irmão, não o culpe. A falha é sua e não dele. Peça perdão a Deus e clame por graça, pois está abaixo do padrão que Deus pede.

Spurgeon disse a alguém que lhe falou que não ia à igreja porque ela estava cheia de hipócritas: “O senhor pode ir assim mesmo. Cabe mais um”. Mas isso foi Spurgeon. Se eu disser isso, me chamarão de “grosso”. Então digo: “Traga suas virtudes e perfeições e nos ajude a melhorarmos! Você será um instrumento nas mãos de Deus para aperfeiçoar a igreja”.

A igreja “não era”. Ela sempre será. Cristo a ama. O Espírito trabalha nela. A igreja local não é evento sociológico. É ação de Deus no tempo e no espaço. Ajude a igreja, se você é igreja. Não jogue pedra nela. Ela não é a Geni, do Chico Buarque. É corpo de Cristo.

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho