“TEU IRMÃO HÁ DE RESSURGIR”

Isaltino Gomes Coelho Filho

“Respondeu-lhe Jesus: Teu irmão há de ressurgir” (João 11.23)

Diante da palavra de Marta de que Deus poderia lhe conceder tudo quanto ele pedisse (inclusive a ressurreição de Lázaro), Jesus diz que ele há de ressurgir. E Marta crê. Ela crê numa ressurreição geral, no último dia (v. 24). Jesus continua sua argumentação, seguindo o raciocínio de Marta: “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês isto?” (vv. 25-26). Haverá, sim, uma ressurreição no último dia. Por causa de Jesus, que é ressurreição e vida. Ele pergunta a Marta se ela crê nisto, e ao invés de apenas dizer “sim”, ela vai além: “Sim, Senhor, eu creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo” (v. 27).

Haverá ressurreição no último dia porque Jesus é o Cristo. Os mortos ouvirão sua voz e voltarão do hades: “Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo” (Jo 5.28-29). Uma avant-première se deu quando da morte do Salvador: “E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam, os sepulcros se abriram, e muitos corpos de santos que tinham dormido foram ressuscitados; e, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na cidade santa, e apareceram a muitos” (Mt 27.52-53).

“Teu irmão há de ressurgir”. Não só ele. Nós, também. Um dia sairemos do hades e viveremos para sempre. Meacir e eu costumamos dizer que somos indestrutíveis. O tempo passa e a sepultura fica cada vez mais próxima e o berço cada vez mais distante. Um dia virá a morte. Ela é inevitável. Inimiga formidável, espera por todos nós. Muitos pensam que ela tem a palavra final. Não tem. A palavra final é de Cristo. Os mortos ouvirão a sua voz e voltarão à vida. E para sempre, com ele. Seremos indestrutíveis.

Lázaro ressurgiu, mas morreu depois. Mas um dia ele e todos os fiéis ressurgirão para nunca mais morrer. Serão indestrutíveis. Um dia morrerei. Mas não será o fim. Hei de ressuscitar. Se você é de Cristo, há de ressuscitar. Por causa de Jesus Cristo. Desde sua ressurreição, a morte se tornou paciente terminal. Um dia ela morrerá: “E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo” (Ap 20.14). A morte morrerá, e nós viveremos para sempre. O fiel zomba da morte: “Mas, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1Co 15.54-55).

Isto é possível por causa de Jesus: “(…) nosso Salvador Cristo Jesus, o qual destruiu a morte, e trouxe à luz a vida e a imortalidade pelo evangelho” (2Tm 1.10).

Bendito seja Jesus Cristo, o Ressurreto. Por causa dele, haveremos de ressurgir.