SEGUIR A JESUS, O QUE É ISSO?

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 30.1.11

 

“Semana da recuperação dos bens”, “Tome posse da bênção”, “Aprenda a prosperar”, “Pegue aqui sua bênção”. Vi estes lemas em faixas em igrejas evangélicas. Competindo por clientes, elas procuram oferecer algo superior às demais. Isso é seguir a Jesus? É este o conteúdo do evangelho?

 

No “Jornal de missões” da CBB há artigos comoventes. Como o projeto missionário para ajudar crianças da cracolândia, onde surgiu a Igreja Batista Cristolândia. É um trabalho com os filhos dos dependentes químicos, traficantes e prostitutas da região. Vejo o projeto para desintoxicação feminina, recuperando viciadas. Uma igreja batista organizada em Belém, fruto do trabalho com os romeiros do Círio. Batismos efetuados por nossos missionários em Botsuana e Filipinas. Lançamento da pedra fundamental de um templo no Senegal e nosso trabalho no Paraguai. Uma igreja batista na Espanha, que investe 80% de seus recursos em missões.  O trabalho dos batistas brasileiros na Nicarágua, Ruanda, Haiti, Timor-Leste, e batismos na Itália, Moçambique e com muçulmanos.

As igrejas das faixas pensam que seguir a Cristo é ganhar coisas. As do jornal, que é comprometer-se com ele. Assumir o evangelho, com paixão, e pregá-lo a outros.

 

As faixas mostram um evangelho adaptado a um mundo consumista, no qual as pessoas querem cada vez mais coisas, menos problemas e mais conforto. Um evangelho egoísta.  As pessoas deixam de ser pecadoras que carecem de salvação. São compradoras da felicidade. E a igreja lhes vende um evangelho mundano: seguir a Jesus é um bilhete de primeira classe por esta vida. É a “bênçãotite”, a busca de bênção, de bem-estar. Seguir a Jesus é ter vida mansa. É a fé “tudo a mim”.

 

Seguir a Jesus é compromisso: “Em seguida dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me” (Lc 9.23). A estrada do fiel é a da cruz, e não a do trono (Hb 11). Este vem no final, mas a trilha é a da cruz, e não a das riquezas, saúde perfeita e felicidade material.

 

A fé madura se engaja, quer ser útil e levar Jesus a todos. Quem segue a Jesus já tem a maior de todas as bênçãos, a salvação, a adoção de filho, e reparte isto com os demais. É a fé do convertido. Gente que incomoda o mundo: “Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui” (At 17.6). Disse Bernanos: “Os convertidos são incômodos”.

 

Crentes crianças querem coisas e presentes do Papai Noel. Crentes adultos querem servir e ser úteis. Seguir a Jesus é ser maduro. Seja um seguidor maduro. Não uma criancinha que só que receber.