Provérbios – Uma introdução ao livro

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

INTRODUÇÃO

Não há enredo. São pensamentos acumulados em séculos de cultura hebraica. Atribuído a Salomão (971-931 a.C.), e concluído por Ezequias (715-686 a.C.), cf. Pv 25. Mais de 250 anos de observação, análise e reflexão, além da orientação do E. Santo. Veremos alguns de seus temas nele. Hoje, uma visão geral.

 

1. UMA OBSERVAÇÃO PRIMÁRIA – A finalidade do livro: 1.2-6. Atente à expressão conhecer a sabedoria. “Sabedoria” é a palavra hokhmâ, cujo sentido é “ter orientação para viver bem”. Não é especulação ou sentimento. É prática. Os sábios, hâkhamyn, eram muito respeitados em Israel. Ligados à corte, organizavam e ensinavam ao povo a sabedoria prática e o conhecimento (Ec 12.9). Ensinavam a viver bem. A Bíblia ensina como viver bem, neste mundo. O fiel deve ser sábio.

  1. O QUE É SABEDORIA? – Não é erudição, cultura acadêmica ou escolaridade. Que é?

(1)   Em 1.2 – É instrução (hebraico, mûsar). A idéia é de treinamento. A pessoa se treina para a vida. Não é um termo estático. É algo que vai ser trabalhado para aprender a viver. A Bíblia ensina a viver. Tem princípios para nossa vida aqui: Sl 119.130. Veja Pv 1.2, na LH.

(2)   Ainda em 1.2 – São palavras de inteligência. O hebraico é binâh, cuja tradução é “discernimento”.  É ter discernimento da vida. Por exemplo: Romanos 12.17.

(3)   Em 1.3 – É sábio procedimento.  Vem de haskel, “bom senso, habilidade para administrar conflitos”. Exemplo: Abigail (1Sm 25.3 e 25.25 e seguintes). O marido, uma toupeira, teve um infarto (v. 37). BJ: “De manhã, quando Nabal acordou da bebedeira, sua mulher lhe contou o que acontecera, e ele sentiu o coração parar no seu peito, e ficou como pedra”. Abigail tinha bom senso, haskel. Fuja do mal.

(4)   Em 1.4 – É prudência. O hebraico é ‘ormah. A primeira pessoa com ‘ormah na Bíblia é a serpente (Gn 3.1). Lá foi traduzido por “astuta”. A idéia é de sagacidade, não de maldade. Saber o que dizer, como se conduzir na conversa com os outros.

(5)   Em 1.4 – É juízo. O hebraico é mezimah, “capacidade de fazer planos”. Como ter um plano de vida sensato.

 

  1. QUAL É A FONTE DE SABEDORIA? – Em 1.7. “Temor do Senhor” é uma expressão que corresponde ao nosso conceito de religião ou espiritualidade. O princípio da sabedoria está na religião revelada na Escritura. O homem sem Deus é “néscio” (Sl 14.1). “Néscio” é nabhal, a pessoa que não usa a razão (nome do marido de Abigail). Quem usa a razão busca a Deus. A cultura não afasta de Deus. É a meia cultura. O saber aproxima de Deus: Sl 8.4 e 19.1. Algumas das maiores mentes deste mundo foram tementes a Deus.

 

CONCLUSÃO – O DESAFIO DE PROVÉRBIOS

Um desafio para viver bem. Ouvir, aprender, pesquisar e refletir. Os evangélicos de hoje valorizam mais sentir que aprender. Mas o sábio ouve, reflete, pesquisa, corrige a vida. Não busca sensações ou sentir-se bem, mas ser corrigido pela Palavra. Nela está a sabedoria, pois ela vem de Deus.