Ai, que vontade de descansar!

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

INTRODUÇÃO

O assunto de hoje é o preguiçoso. Sua figura chega a ser cômica.  Assim como a porta está presa a seus gonzos, ele está preso à sua cama (26.14). Ele sempre está cansado e dá cada desculpa para não trabalhar! Veja só a desculpa que ele dá em 22.13 e 26.13. O trabalho para ele é um animal feroz. O tema é Ai, que vontade de descansar! Vamos ver como o preguiçoso é.

  1. ELE NÃO TEM VONTADE DE COMEÇAR NENHUMA EMPREITADA
  2. A pergunta de 6.9: Quando vai começar a fazer alguma coisa? Sua resposta em 6.10: um pouco mais de tempo para descansar. Na igreja de Tessalônica havia preguiçosos (e espertos). Cristo ia voltar logo, para que trabalhar? Paulo foi duro: 2Tessalonicenses 3.10-12. Deus e religião não são pretextos para vadiagem. Ser bom não é ser um tolo explorado por ladinos. O cristão não é preguiçoso e se dedica ao trabalho. É cidadão respeitável e respeitador. Ajuda a construir a sociedade. E sua igreja!

     

  3. SE COMEÇA UMA EMPREITADA, ELE NÃO A CONCLUI
  4. Em 12.27: ele “apanha sua caça” (VR). O verbo “apanha” pode ser traduzido por “assará”. Quando pega a caça, ela apodrece porque ele não a assa.  Ele perde oportunidades. Sua comida esfria porque ele tem preguiça: 19.24 e 26.15. Bate um desânimo! Começa e não termina. Na igreja há gente que começa projetos e desiste. Sem persistência. O cristão deve ser determinado: 1Tm 4.10. Na igreja, nos projetos profissionais, espirituais, na vida pessoal.

     

  5. ASSIM SENDO, ELE NUNCA ENFRENTA NADA
  6. Ele acaba crendo na sua desculpa (22.13). Suas razões lhe são boas: 26.16. Em 15.19, sua opção de vida é contrastada com a do justo. É uma pessoa inquieta e frustrada (13.4, 21.25 e 26a, LH). Sua opção de vida é destrutiva: 18.9. Ele irrita quem confia nele: 10.26. Há preguiçosos espirituais, animados para tudo, menos para a obra de Deus. São autodestrutivos e irritantes.

     

  7. MAS A BÍBLIA TRAZ CONSELHOS PARA ELE
  8. Aprender com a formiga (6.6).  Ela não precisa de fiscal (6.7) e conhece os tempos (6.8). O resultado é inevitável: 6.9-11. A advertência de 10.5 é bem clara. É necessário saber administrar a vida. Muita gente não sabe, envolve-se em dificuldades financeiras por imprevidência. E outro pecado grave: negligência com as coisas de Deus. Falta de engajamento e compromisso. A cama do preguiçoso espiritual é o banco da igreja. Ele se refestela no banco. Sua vida cristã é só isso.

     

    CONCLUSÃO

    Deus inventou o trabalho para nossa formação: Gn 2.15. Ele trabalha: Jo 5.17. O trabalho dá utilidade à vida: At 20.35.  O trabalho para Deus mostra a submissão e interesse pela obra. Na igreja há quem desfruta de tudo. Mas não coopera. Há os que têm preguiça para ler a Bíblia (mas não revistas vazias) e de vir à igreja (mas não de passear). A preguiça para a obra de Deus é danosa. Ao preguiçoso espiritual falta senso de responsabilidade. Quem ama a Deus o serve com alegria e ânimo, sem desculpas. Ao invés de “Ai, que vontade de descansar!”,  digamos “Ai, que vontade de ser útil!”, na obra de Deus. E na vida social: “Ai, que vontade de não ser pesado para os demais!”.