“FALACIAS E VERDADES” OU: “MAÍLSON DA NÓBREGA: PERGUNTE ANTES DE AFIRMAR”

 

Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Na revista “Veja”, de 29.6.11, Maílson da Nóbrega, postou o artigo “Falácias e verdades”. Sempre leio sua coluna, porque desejo compreender matérias sobre as quais não estudei. Ele é economista e sabe Economia. Como estudei outras disciplinas, mas não esta, aprendo dele. Mas no “Falácias e verdades” ele sai da área da economia e cita a Bíblia. Como acontece com as pessoas que se aventuram a fazê-lo sem a conhecer, se equivoca duas vezes.

 

O primeiro equívoco é quando Maílson afirma: “O Sol, dizia a Bíblia, girava em torno da Terra”.  O segundo é quando diz que Galileu, que negou esta posição, chamada geocentrismo, e  afirmou o heliocentrismo (o Sol é o centro, e não a Terra), teve que se retratar “para não ser queimado vivo pela Inquisição”.

Li a Bíblia dezenas de vezes e li alguns de seus trechos nos originais hebraicos e gregos. Ainda não vi esta afirmação na Bíblia, de que o Sol gira ao redor da Terra. Cada semestre leio a Bíblia numa versão diferente. Não sei qual a versão que Maílson usou para fazer esta afirmação.

 

Outro equívoco é sobre Galileu ter se retratado de que a Terra girava ao redor do Sol “para não ser queimado vivo pela Inquisição”. Bem, Dr. Maílson, se ele fosse queimado morto não lhe faria muita diferença. Não sentiria nada. Mas esta afirmação é uma mentira que se cristalizou e que pessoas de cultura geral superficial repetem, por não examinarem. Apenas matraqueiam o que ouvem.

 

O inquisidor Roberto Bellarmine, ouvindo esta idéia de Galileu, foi procurá-lo. Em 1616, Galileu chegou a Roma, ficou hospedado na Vila Médice, encontrou-se com o papa mais de uma vez e compareceu a várias recepções. Bellarmine disse que ainda que tal teoria fosse provada, precisariam examinar com cuidado passagens bíblicas que “parecem ensinar o contrário” (afinal a Bíblia faz um relato fenomenológico, e não científico – como nós, que dizemos que “o Sol se pôs” ou “o Sol nasceu”). E que ele, pessoalmente, não acreditaria até que “tais provas (…) me sejam apresentadas”.

 

O problema surgiu em 1632, quando Galileu escreveu Dialogue concerning two chief world systems (“Diálogo sobre os dois máximos sistemas do mundo”). Nele, Galileu alegava ter demonstrado a verdade sobre o heliocentrismo. Um de seus argumentos era que o movimento da Terra ao redor do Sol causava as marés. Ele estava errado, pois é a Lua, basicamente, que causa as marés. Galileu também errou ao supor que os planetas se movem em órbitas circulares, mesmo com Kepler, tendo mostrado que as órbitas planetárias são elípticas. Galileu disse que Kepler estava errado, e hoje se sabe que  o errado era ele.

 

O problema foi que, para mostrar o diálogo entre os dois sistemas, Galileu ridicularizou o papa. O personagem científico representava Galileu. O personagem religioso representava o papa e se chamava Simplício (“Simplório”). Simplício fazia afirmações tolas e o  cientista as refutava com classe. A mesma tática que se emprega hoje: os religiosos são trogloditas culturais, retrógrados, indo contra o progresso. A ciência é a grande redentora, a libertadora dos preconceitos (embora os cientistas sejam grandemente preconceituosos, principalmente quando dão um toque de absoluto à suas afirmações e ridicularizaram os discordantes).

 

Galileu fez como Maílson: ao invés de ficar em sua área resolveu fazer afirmações sobre a Bíblia, dando sua interpretação de textos. Jesuítas lhe disseram que não se aventurasse neste terreno, porque não era sua alçada. Galileu ignorou este conselho, e continuou com suas “teologadas”. Quando foi denunciado à Inquisição, havia muito mais que geocentrismo e heliocentrismo em discussão.

 

Em 1633, Galileu foi a Roma, onde foi tratado com respeito. Poderia ter vencido o processo, mas descobriram que ele havia firmado um compromisso com Bellarmine, que o procurara em nome da Igreja, e que não honrara o compromisso. Não é verdade que ele tenha negado o heliocentrismo e dito, entre os dentes, “Mas ela se move”. Isto é lenda. Galileu não foi preso nem torturado. Ficou sob a tutela do arcebispo de Siena, em seu magnífico palácio, por cinco meses.

 

A Igreja não foi sensata no episódio. Mas Galileu não foi um cientista perseguido pelo obscurantismo religioso que se voltava contra o progresso. Como disse Whitehead: “Galileu sofreu uma detenção honrosa e uma leve repreensão, antes de morrer em paz em sua cama”. Recebeu tratamento mais respeitoso da Igreja que aquele que os cientistas hoje dão aos religiosos: fundamentalistas, reacionários, obscurantistas, anti-progressistas, etc. Porque, pior que a fogueira, é a execração pública. A fogueira mata logo. O ridículo diante do mundo mata todos os dias.

 

Ditas estas coisas, Dr. Maílson, faça o que o senhor sabe muito bem: fale de Economia. De Bíblia e de Teologia, pergunte antes de afirmar. Para os desconhecedores, o senhor arrasou. Para mim e outros que conhecem o assunto, o senhor “pagou mico”.