SANTOS ENTRE TAÇAS DE VINHO

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 17.7.11

 

 

Para alguns, filósofo é quem emite frases de efeito ou tem idéias exóticas. O filósofo é um pensador, um analista de sua época, não cooptado pelo banal. Neste sentido, Luiz Felipe Pondé é um filósofo. E dá excelente entrevista à “Veja”, de 13.7.11. O título é “Santos entre taças de vinho”. Os cristãos deveriam ler.

 

Pondé ironiza os “jantares inteligentes”, as reuniões onde pessoas posam como intelectuais, e dizem banalidades, com ar grave, todas concordando entre si. Geralmente tecem críticas aos conservadores, são de esquerda (isto soa intelectual) e adotam os modismos culturais. Ele diz que deixou de ser ateu pela fragilidade do materialismo. Não é adepto de nenhuma religião, mas afirma a superioridade moral do cristianismo para formatar as civilizações. A razão é que nenhum cristão se diz santo, pois reconhece a presença do mal em si. Sabe que é pecador e que deve melhorar. Ele exalta a profunda tradição teológica cristã tradicional. Critica a teologia da libertação, por usar o marxismo. Isto é como a criança que entra na jaula do leão e lhe faz bilu-bilu.

 

Nossa cultura vê o desmanche da sociedade, da paz e da justiça. O mal avulta  com a apologia dos vícios e drogas, de comportamentos bizarros, e a insensibilidade. Diariamente, jornais televisivos mostram bebês abandonados. Pondé enxergou a questão, que eu, sem seu brilho, aponto há muito tempo: perdemos valores e referenciais e estamos enfatizando mais os instintos que a razão. O uso do marxismo-darwinismo-freudismo (que são argumentos refutáveis, mas foram aceitos como sinal de intelectualidade) ajuda muito.

 

Para Marx, o homem é vítima de forças econômicas. Para Darwin, é apenas a luta pela sobrevivência e não há dignidade intrínseca no homem. Para Freud, o homem é vítima de forças que ele ignora e que estão no seu inconsciente. Não há mais culpa, não há responsabilidade, o  criminoso é vitima da sociedade, e assim desmanchamos um princípio bíblico: o homem é responsável por seus atos. Faz sua vida. Não é bom, como ensina certa corrente pedagógica, que inclusive diz que não devemos impor nada à criança, que ela mesma constrói seu caminho.

 

A Bíblia diz que somos pecadores caídos, e que precisamos de redenção. Ideologias e o Estado não nos transformarão. O credo contemporâneo cultua o EU, e não Deus. Aboliu a culpa e  supervaloriza nossos desejos, mas não resolve nosso problema. Só Jesus.

 

As igrejas têm a verdade, que é Jesus. Algumas precisam crer nisto e parar de adoçar a boca do mundo, oferecendo bênçãos. Devem dizer o que a Bíblia diz: o homem é caído, somos pecadores, e podemos ser levantados em Cristo. Cristo tem poder para mudar a nossa vida.

 

Nossa missão não é oferecer bênçãos materiais nem dizer o que as pessoas querem.  É pregar a restauração em Cristo. É disto que o mundo precisa. E Pondé, um filósofo sem igreja, nos lembra isto.