AH, SE EU TE PEGO!

AH, SE EU TE PEGO!

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 18.3.12

              Não escuto rádio e sou muito seletivo com tevê, no pouco tempo em que a assisto. Aliás, já ficamos sem instalar a tevê por uns três meses, em casa. Não ouço música e assim ignoro muitos modismos. Por isso não conheço a música que dá título a esta pastoral. Ouvi seus primeiros acordes num lugar em que hospedei. A cozinheira tinha um celular cujo toque era o refrão da música. Nos momentos em que o celular não a chamava e ela não se punha a conversar abobrinhas (este paulistês é bom!), ela cozinhava.

 

O cantor desta música foi pego. Numa blitz da lei seca. Bebera mais que o permitido. Distraiu-se na vida. Queria pegar alguém. Foi pego pela Polícia. Mas antes fora pego pela garrafa. Achei irônico, e algumas coisas me vieram à mente: (1) Há distrações perigosas. Distrair-se ao volante, por exemplo. E também na vida espiritual; (2) As pessoas tendem a pensar “Isso acontece com os outros, mas não comigo!”. As blitze sucedem, mas as pessoas insistem em passar do limite; (3) Aqui já entra mais o espírito irônico do carioca (eu o sou, por direito de nascimento): nem sempre pensamos que o que desejamos para os outros sucede conosco. Os outros podem fazer o mesmo conosco. Então, fãs do Teló, não fiquem melindrados por eu brincar com o seu ídolo: queria pegar e foi pego.

 

Nada tenho contra o cantor. Na realidade, nunca vi o seu rosto porque não o vi cantar, e na reportagem, ele cobriu o rosto para não ser filmado. Mas pus-me a lucubrar (bonito, né?) .Já pensou se acontece conosco o que gostaríamos que acontecesse com os outros? Já pensou que assim como você “tesoura” a vida alheia alguém “tesoura” a sua?

 

Achei irônico o sucedido. Lembrei-me das palavras de Jesus: “Tudo quanto quereis que os homens vos façam, fazei-o vós também a eles” (Mt 7.12). Ele queria pegar alguém. Pegaram-no. Em nível diferente, mas pegaram.

 

O sentido de “pegar”, na música,  é um. O da Polícia foi outro. Por isso, lembro que no dia do juízo todos seremos pegos: “Igualmente o reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanha toda a qualidade de peixes. E, estando cheia, a puxam para a praia; e, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora. Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos, e separarão os maus de entre os justos, e lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt 13.47-50). No dia final, Deus fará uma grande blitz. Você será pego. Estará preparado?