“O AMARELO É PARA PASSAR CORRENDO!”

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 25.3.12

 

Num programa de televisão, a repórter perguntou a um grupo de crianças se sabiam o  significado das cores do semáforo. Um menino disse que sabia, pois o pai lhe explicara. Respondeu ao repórter que o verde era para passar, o vermelho para parar e o amarelo, “para passar correndo”. Pensei comigo: “E para ser atropelado”. Um pai desses merece um puxão de orelhas. Ensinando coisas erradas ao filho.

Quando fui pastor no interior de S. Paulo vi um homem sentar um menino de uns quatro anos num balcão (o que é falta de educação) e ensinar-lhe palavrões. A pinguçada (que estava pra lá de Marrakesh) vibrava! Pastor recém formado, nem filhos tinha, pensei comigo: “Lamentável!”.

 

Há bons pais, graças a Deus, que ensinam coisas boas aos filhos. Não apenas sobre as cores do semáforo, mas sobre a vida em geral. Muitas de minhas ovelhas fazem isso e louvo a Deus por ter bons pais e boas mães em meu rebanho. Mas há pais, fora do meu rebanho, que estragam os filhos. Um colega meu, quando criança, se urinava de medo quando o pai chegava em casa. Outro se escondia embaixo da cama. Os pais lhes transmitiam terror, e não segurança.

 

Educamos com palavras, gestos e atitudes. Estes muitas vezes soam mais alto que as palavras. Um filho que vê um pai mexer com mulheres na rua ou se insinuar junto a elas irá respeitá-lo? Como se sentirá, tendo um pai que não respeita sua mãe? Como se sente uma menina a quem a mãe diz para não mentir, mas que ao receber uma ligação telefônica lhe diz para dizer que ela não está? Os filhos vêem o que os pais fazem! Vêem como se tratam! Vêem se há compatibilidade entre o falar e o fazer, entre o falar e o ser.

 

Sua conduta transmite bons ensinos a seus filhos?  Ao verem como você trata seu cônjuge, ele vê amor no lar? Ao verem como se refere à igreja e seu grau de interesse por ela, eles se sentem estimulados a freqüentá-la?

 

Um casal ficou abalado quando o filho lhes disse com clareza que não queria mais ir à igreja e não se interessava mais pelo evangelho. Quando foram ao pastor em busca de ajuda, ele lhes disse: “Ele aprendeu com vocês a não valorizar a igreja!”. Os pais deixavam o filho na igreja e iam passear. Ensinaram-lhe duas coisas: (1) Igreja é coisa para crianças; adultos não precisam dela. Como não queria mais ser menino, ele desistiu da igreja; (2) Igreja é um lugar aonde a gente vai quando não tem lugar mais agradável para ir. Empurraram o filho para fora da igreja.

 

Tenha cuidado! Não ensine que o amarelo é para passar correndo. Ensine direito. E com a vida. Não empurre seu filho para fora da igreja.