A TRADUÇÃO DE MINHA MÃE

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 13 de maio de 2012

              Alguns pastores conversavam sobre traduções bíblicas, comentando os prós e contras e dizendo qual era sua tradução preferida. Um deles disse que sua versão preferida era a da sua mãe. Um colega, surpreso, lhe disse: “Eu não sabia que sua mãe conhecia tão bem hebraico, aramaico e grego para fazer uma tradução!”. O primeiro retorquiu: “Ela não sabia. Na realidade, sabia pouco do português. Ela traduziu a Bíblia em sua vida!”.

Minha mãe não traduziu a Bíblia em sua vida. Nossos parentes crentes nunca lhe falaram de Jesus, e ela se envolveu com o espiritismo, em busca de cura, pois cedo enfermou. Só fui batizado na Igreja Católica com 4 anos, pois ela e meu pai não sabiam que instrução religiosa me dar. Mas outra mulher, que me supriu a ausência de figura feminina, a mãe dos meus filhos, traduz a Bíblia em sua vida.

Contei isso para dizer que tive mãe, Nelya Werdan. Tive uma avó que me foi mãe, Marie Werdan (eu sou um Werdan). Não sou “antimãe”. Mas sempre busco despertá-las para sua responsabilidade como mães cristãs nesta data. Uma mãe cristã que ora e instrui os filhos no evangelho é uma arma poderosa na expansão do Reino de Deus. Mães que oram tapam brechas na vida da igreja e dos filhos. Mães que oram causam estragos no império das trevas.

Minha mãe me ensinou a ler aos 6 anos. Dava-me livros de presente. Fez-me ledor voraz. Sou marido de uma mãe e pai de outra. Nunca denegriria a figura materna. Mas nesta palavra às mães cristãs, quero chamá-las a refletir sobre a tradução da Bíblia que fazem em suas vidas. Hoje elas são louvadas (termo corretamente usado em Provérbios 31.30). Mas devem refletir sobre seu papel como mães cristãs. Há duas frases profundas sobre maternidade. Uma é de Victor Hugo: “A mão que embala o berço embala o mundo”. A outra é atribuída, entre muitos, a P. Vires: “A mão que embala o berço rege o mundo”. Ambas têm grande conteúdo. Permitam-me outra: “Os joelhos maternos que se dobram em oração causam grande impacto no mundo”.  Essa é minha. Não almejo entrar na história com ela, mas quero despertá-las para o fato de que o mundo ficou extremamente perigoso. A falta de rumo, o culto ao sexo, a avalanche das drogas, o clima do “liberou geral” estão acuando os jovens. Precisamos de mães que orem pelos filhos! Sou pastor, mas quem moldou o caráter espiritual dos meus filhos não fui eu nem meus sermões. Foi a mãe deles.

Mãe cristã, eis um pedido: seja uma intercessora pelos filhos. Oração de mãe é valiosa. E você, filho cristão: louve a Deus por sua mãe, que lhe deu à luz, que lhe mostrou a Luz de Cristo e ora para você permanecer na Luz.