PAINÇO É NOVA APOSTA PARA EMAGRECER

Isaltino Gomes Coelho Filho

 

É a “abobrinha” dietética da vez. Vi na Internet. Até a semana anterior era o óleo de coco. Na semana que vem surgirá outra novidade. E as pessoas vão atrás. Cada mês as revistas apresentam uma nova forma de dieta para emagrecer. Com perdão pela rudeza, se anunciarem chá de estrume seco de boi, elas o tomarão.

Todos andam atrás de formulas mágicas. As pessoas querem emagrecer, mas não pela via normal, que é não adquirindo peso em excesso. Impondo-se limites. Sei que há casos de obesidade por questões genéticas, hormonais, glandulares, tratamentos, etc. Falo das pessoas que comem em demasia, empanturram-se de doces e de refrigerantes e depois buscam uma fórmula mágica. Ninguém busca disciplina ou comedimento. Bastaria comer menos do que se come. Mas as pessoas fogem de esforço, de determinação e de perseverança. Receio que estamos formando uma geração frouxa, sem garra alguma. Sua disposição é só para brigar por futebol. O resto, quer resolver facilmente.

 

Vejo isto também na vida espiritual. As pessoas não querem disciplina pessoal nem abandono do pecado. Querem ser abençoadas em seus pecados. O conceito de santidade, por exemplo, é cúltico e litúrgico. Elas não buscam o abandono do pecado nem o aprofundamento de sua comunhão com Deus, pela oração constante e estudo da Palavra. Querem um culto altamente emotivo que lhes traga uma descarga espiritual e as santifique. Buscar santidade sobre os joelhos dá trabalho. Quem sabe uma novidade, tipo painço espiritual, resolva seus problemas. Assim elas andam de novidade em novidade, sempre querendo algo que as ajude a resolver seu problema, mas sem compromisso algum, sem seriedade e sem disciplina. Mas santificação não vem por êxtases. É apenas obediência. O culto não é a coisa mais importante na vida do seguidor de Jesus: “Porém Samuel disse: Tem porventura o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros” (1Sm 15.22). O sacrifício era a mais elevada forma de culto no Antigo Testamento, mas um sacerdote diz que Deus prefere obediência a culto. Obedecer e aplicar a Bíblia à vida dá trabalho. Ser adorador é mais fácil e mais agradável. Obedecer é disciplina e adorar é prazer. Disciplina sempre envolve perda de prazer. Mas é o aplicar a Bíblia à vida que dá poder para resistir ao pecado: “Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti” (Sl 119.11). É mais fácil ao jovem celebrar a fé que pautar-se pelas Escrituras e corrigir-se por elas. Mas é ela que santifica o jovem: “Com que purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra” (Sl 119.9).

 

No passado buscava-se uma segunda bênção, vinda em momento de êxtase num culto. Hoje é algum segredo tremendo em uma reunião privada, só para iniciados. Ontem o óleo de coco emagrecia. Hoje, o painço. Amanhã outra coisa. Amanhã outra coisa trará espiritualidade.

 

As pessoas vivem em função dos sentidos. O gustativo é muito forte. Tanto que o bebê leva tudo à boca para sentir e conhecer. Por isso comer é sempre agradável (desde que não seja brócolis, embora haja quem deles goste – gosto é gosto, eu torço pelo Bangu e o 1º. Vice-Presidente de minha igreja torce pelo América do Rio!). Só que hoje o problema do Brasil não é mais a fome, mas a obesidade, pois quase que metade da população está acima do peso.

 

Não sei se óleo de coco, painço, linhaça, alpiste ou outra coisa emagrece magicamente. Desconfio de pílulas mágicas. Como uma, alardeada na televisão: se a pessoa tivesse gordura demais, ela ajudava a emagrecer; se a pessoa fosse magra, ela ajudaria a ganhar peso. Acredite se quiser!

 

Nada contra os obesos. Preciso dizer isso por que o politicamente correto põe-nos mordaças e demanda cautela. Alguém dirá que estou desancando os pesadinhos. Longe de mim! A minha questão é sobre a busca de resultados fáceis, sem disciplina. Não funcionam no peso. Nem na vida espiritual. Nesta, sem dúvida, que a riqueza e profundidade espirituais vêm pela disciplina, até mesmo pela dor: “E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará” (Lc 9.23-24).

 

Se você está acima do peso isto não é da minha conta. Não sou médico. Mas se você quer vida espiritual rica, como pastor posso lhe dizer: painço não resolve. Só a autocrucificação diária.