A ROCHA QUE NÃO TREME

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 2.9.12

Falo de uma ilustração usada por muitos e atribuída a vários, mas que é do espanhol César Vidal, em O crime dos illuminati. Ele é autor também de Os maçons – a sociedade secreta mais influente da história, Maimônides – o médico de Sefarad, As checas de Madri, A Espanha contra o Islã e O testamento de Pedro, traduzidos ao português. Meacir me apresentou ao pensamento de Vidal, dando-me um de seus livros. Tornei-me seu fã. O espanhol é “fera”, como se diz: doutor em Direito, Filosofia, História e Teologia. Autor de dezenas de livros. Erudito, seguro e convicto de sua fé.

Vamos à ilustração. Na católica e também secularizada Espanha, um intelectual evangélico testemunha de Cristo a uma pessoa. Conta um episódio que lhe fora narrado por um náufrago. Piratas atacavam navios na Europa, matavam seus ocupantes e os saqueavam. Este náufrago, vendo a intenção deles, nadou até um rochedo, fora do alcance deles, segurou-se a ele, e passou a noite ali agarrado, até que pela manhã foi socorrido.

Depois, perguntado se não tremera de medo, o náufrago respondeu: “Eu tremi, sim, mas a rocha em que eu descansava não tremeu” (p. 170). O intelectual, a partir daí, seguiu falando de seus temores e dificuldades pessoais, mas concluiu: “A rocha sobre a qual eu descanso é Jesus, o Filho de Deus”. E deixa com o evangelizado uma Bíblia, para que ele a leia a partir do evangelho de João.

Meu amigo Vieira Rocha usou esta ilustração ao apresentar meu livro O neopentecostalismo – uma avaliação pastoral, tendo-a ouvido em um sermão. Ela corre mundo, pois ilustra uma verdade. Jesus é a rocha segura, inabalável, na qual as pessoas podem se segurar, certas de que ela nunca tremerá.

Estou lendo as cartas de Paulo, mais uma vez, agora na King James em português. Na eternidade, pegarei a senha, entrarei na fila e verei se Paulo pode conversar uns dez anos comigo. Que firmeza de fé, que dedicação a Cristo, que sublime obsessão pelo evangelho, que amor pela igreja! E quantas lutas, sofrimentos e perseguições! Sempre confiante na rocha inabalável, Jesus: “… Porquanto sei em quem tenho crido e estou plenamente convicto de que Ele é poderoso para guardar o que lhe confiei até aquele Dia” (1Tm 1.12). Paulo confiara-lhe a vida e sabia que Ele a guardaria.

Há tantas pessoas inseguras! Até na igreja! Falta-lhes a entrega da vida sem reservas, a Cristo. Quando nos damos a ele, o melhor nos vem. Este melhor pode trazer lutas e dores. Paulo as teve. Mas a vida é abençoada e abençoadora! Estar seguro na Rocha dos séculos, a rocha mais firme que nós, dá segurança e é uma bênção! Firme-se em Cristo. Sua vida será segura e rica.