Arquivo mensais:março 2011

O CULTO AO NADA

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 3.4.11

 

Neste semestre estou a ler a Bíblia na versão chamada Bíblia de Jerusalém. Gostei de Jeremias 18.15, assim traduzido : “Meu povo, contudo, esqueceu-se de mim! Eles oferecem incenso ao Nada…”. Judá estava cultuando o Nada, porque adorava a ídolos e todo culto que não seja ao Deus revelado nas Escrituras é culto ao Nada. Disse Paulo: “… o ídolo nada é no mundo…” (1Co 8.4).  Há quem adora ao Nada porque adora deuses que fez para si.

Continue lendo O CULTO AO NADA

A ARTE DE CULPAR OS OUTROS

“Aí Sarai disse a Abrão: – Por sua culpa Agar está me desprezando. Eu mesma a entreguei nos seus braços; e, agora que sabe que está grávida, ela fica me tratando com desprezo. Que o Deus Eterno julgue quem é culpado, se é você ou se sou eu!” (Gênesis 16.5).

 

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Depois de culpar a Deus (como vimos na meditação anterior, baseada em Gênesis 16.5), Sarai, a mulher que não soube esperar o tempo de Deus, arranja mais uma pessoa para nela colocar a culpa de seus problemas, o marido, Abrão. Aliás, muita gente ainda gosta de culpar seu cônjuge…

Continue lendo A ARTE DE CULPAR OS OUTROS

A DECAPITAÇÃO DA IGREJA

 

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 27.3.11

 

Qual a sua reação se visse uma cabeça sem corpo, flutuando no ar? Ficaria extasiado ou correria? Bem, eu sairia correndo. Mas há gente querendo a cabeça sem corpo. São os que querem Cristo, mas não a igreja.

Não existe, no Novo Testamento, a possibilidade de ficar com Cristo e sem a igreja. Quem recebeu a Cristo foi tornado igreja. A conversão é individual, mas não individualista. É corporativa: “Ora, vós sois corpo de Cristo, e individualmente seus membros” (1Co 12.7). A Bíblia diz para não abandonarmos a igreja local: “Não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia” (Hb 10.25).

Continue lendo A DECAPITAÇÃO DA IGREJA

“A oração depois de um dia agitado” – Marcos 1.32-35

 

Preparado pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Apresentado à Igreja Batista Central de Macapá, 23.3.11

 

INTRODUÇÃO

Que fazemos após um dia agitado? Ouvimos música? Vemos televisão? Tomamos um comprimido para relaxar? Jesus teve um dia cheio de atividades, que entraram pela noite (Mc 1.32-33). Ao invés de dormir até tarde, acordou muito cedo e foi orar (Mc 1.35). Ele tinha uma incrível capacidade de trabalho (Mt 9.35). Além da saúde física do único homem sem pecado, era uma capacitação espiritual. Vamos aprender de Jesus, o melhor modelo.

Continue lendo “A oração depois de um dia agitado” – Marcos 1.32-35

“A oração no meio da mais profunda dor” – Lamentações 1.20-22

Estudo bíblico apresentado na Igreja Batista Central de Macapá, 16.3.11

Preparado pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

INTRODUÇÃO

O livro mais chocante e doloroso da Bíblia. A Septuaginta diz que Jeremias viu as ruínas de Jerusalém, sentou-se e compôs esta lamentação. É um choro pela cidade amada. O livro é chamado de “O muro de Lamentações da Bíblia”. É lido todos os anos pelos judeus, na comemoração da destruição de Jerusalém. A primeira oração do livro é só uma frase, no fim do versículo 11. Esta é a segunda, um pouco maior. É uma oração no meio da mais profunda dor.

Continue lendo “A oração no meio da mais profunda dor” – Lamentações 1.20-22

PERDÃO PROFÉTICO OU PREGAÇÃO DO EVANGELHO?

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 20.3.11

 

Uma pessoa que têm o hábito de ser do contra disse que ao invés de enviarmos missionários para a África, devíamos pedir perdão aos africanos por causa da escravidão.

Tô fora! Nunca tive escravos. Sou branco, de cabelos e olhos claros, mas é acidente genético.  A mãe de meu pai, Vó Isaltina, era mulata.  Meus ancestrais maternos e paternos trabalharam como se fossem escravos, aqui no Brasil. Os paternos Gomes Coelho, portugueses, se acabaram no cabo da enxada. Os maternos Werdan Suhett, suíços, vieram a convite de D. Pedro, que queria evitar a “mulatização” do país. Foram iludidos e se acabaram no cabo da enxada. Nunca tive escravos. Nem meus ancestrais, portugueses e suíços.  Por que pedir perdão por algo que eles nunca fizeram?

Continue lendo PERDÃO PROFÉTICO OU PREGAÇÃO DO EVANGELHO?

ESNOBISMO CRONOLÓGICO

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

Pastoral do boletim da Igreja Batista Central de Macapá, 13.3.11

 

Esta expressão é do pensador inglês C. S. Lewis. Ele foi um intelectual ateu que se converteu ao cristianismo. Além de obras filosóficas, como “A abolição do homem”, ele deixou algumas teológicas e a série “As crônicas de Nárnia”.

Ele chama de esnobismo cronológico a tendência de muitos cristãos de descartarem tudo o que é antigo e abraçarem tudo o que é novo. Eles pensam que seus problemas são originais e buscam soluções originais. Assim esnobam a cultura cristalizada há séculos. Na realidade, são ignorantes da história e do ensino bíblico.

Na história da igreja, os períodos de baixa espiritual foram resolvidos quando veio um avivamento (não gritaria; avivamento!) sobre a igreja. Quando crentes confessaram seus pecados, se quebrantaram, deixaram-se encher pelo Espírito, a igreja foi transformada. Hoje acham que um novo modelo eclesiástico, um novo tipo de louvor ou um novo guru mudará tudo.  E dizem: “Novos tempos exigem novas soluções!”. Alguns têm uma nova revelação e outros até um novo Deus, como o chamado “teísmo aberto”, corrente teológica que nega a onisciência de Deus e nos oferece um Deus (deus, melhor dizendo) do nosso tamanho.

Como se inventam soluções para dinamizar a igreja ou atrair pessoas para os nossos cultos! Há marqueteiros eclesiásticos especialistas em vender a imagem da igreja ao mundo. Só que eles produzem uma igreja artificial, genérica, ao gosto do cliente. Não ao gosto do Novo Testamento (que, para eles, ficou velho…)

Os problemas do mundo e da igreja são antigos. São os mesmos de sempre. Apenas vestidos com roupa nova. Criam termos novos para pecados velhos. E buscam soluções novas para os termos novos. Mas o problema é o velho pecado.

O esnobismo cronológico leva teólogos a andarem como baratas tontas atrás das frases feitas de pensadores que se esmeram em dizer o nada de forma incompreensível. Por vezes leio alguns pensadores cristãos que dizem tanta coisa confusa como se fossem luminares celestiais. A velha Bíblia tem respostas mais simples, mais objetivas e mais profundas. Mas os esnobes cronológicos querem coisas novas.

A igreja não precisa de novidades, mas de “velhidades”. Das velhas respostas do Velho Livro de Capa Preta. Da atuação do “velho” Espírito Santo. Da velha mensagem da cruz.

Recusar o novo por ser novo é tolice. Mas recusar o cristalizado há séculos, em nome do moderno, também é. É bom aceitar as palavras de Paulo: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” (2Tm 4.3-5).

 

 

ORAÇÕES DA BÍBLIA – “A oração de um adolescente assustado” – Jeremias 1.6

Preparado pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

INTRODUÇÃO

“O estudo da história nada mais é que o estudo de grandes homens e mulheres” (Carlyle). O estudo dos profetas é o estudo de grandes homens e mulheres. Grandes por causa de Deus. Eram pequenos, nada mesmo.  Como Jeremias, que se tornou um dos gigantes da história. Tão grande que os homens pensaram que Jesus fosse ele redivivo (Mt 16.14). Foi sua recompensa. Mas sua primeira oração é uma confissão de inabilidade. A inabilidade de um adolescente assustado.

 

1. O PANO DE FUNDO DA ORAÇÃO DE UM ADOLESCENTE ASSUSTADO

O ano é 627 a.C. Israel, o Norte, não mais existia. O país de Jeremias, Judá, está acabando. Terá mais 40 anos de existência. Ele é o último esforço de Deus para salvar Judá. Assíria, Babilônia e Egito lutavam pelo domínio mundial. Judá era um joguete entre as três potências. Jeremias deve chamá-la ao arrependimento, e advertir as potências mundiais que estão lutando contra Deus. Ele diz que a poderosa Babilônia será usada por Deus, e depois destruída. Tarefa pesada. Foram 40 anos de pregação sem ser ouvido. Todos o odiaram. Era para assustar. Muitas vezes a proposta de vida que Deus nos dá é assustadora. E nem sempre somos fados ao sucesso. Somos chamados à obediência, não à glorificação e exaltação pessoal. Fazemos parte do projeto global de Deus. O foco é ele, não nosso serviço.

 

2. O CONTEÚDO DA ORAÇÃO DE UM ADOLESCENTE ASSUSTADO

Esta é sua primeira oração. É resposta ao chamado de Deus (1.4-5). Ele diz ser criança (na’ar, tanto criança como o final da adolescência). Os levitas começavam a trabalhar aos 25 anos (Nm 8.24). Na construção do templo, aceitaram-se levitas com 20 anos (1Cr 23.27). Pelo seu susto, deveria ter menos de 20. “Não sei como falar”: sem treinamento para líder religioso. Como pregar às nações e autoridades? Ele mostra seu receio. Deus pede muito dele. Não nos sentimos assim, muitas vezes? Deus nos pede muito! No serviço, no peso da vida, nas responsabilidades? Por vezes o fardo é grande! Jeremias ensina: apresente a Deus os medos e o fardo. Seja sincero!

 

3. A RESPOSTA DE DEUS À ORAÇÃO DE UM ADOLESCENTE ASSUSTADO

Em 1.7-10. Traz quatro aspectos esclarecedores. Dois aludem ao que Jeremias não deve fazer. Dois aludem ao que Deus faz.

(1) Não dizer que é jovem (1.7). Não alegar a impossibilidade. Não se desculpar nem fugir do fardo.

(2) Não temer (1.8). A razão é simples: “eu estarei com você”. Deus não nos coloca numa “fria”. Ele capacita para enfrentar as dificuldades da vida que nos propõe.

(3) Deus capacita (1.9). Toca seus lábios e lhe dá a mensagem. Ele se julga incapaz? Deus capacita. Você se acha incapacitado? Deus pode capacitar você.

(4) Deus dá poder (1.10). Jeremias enfrentará reis, militares, nações, classe política e o povo.  Deus dá poder para vencer todos. Jeremias seria incompreendido, mas vitorioso. Deus contava com ele. E fez dele um gigante da história.

 

CONCLUSÃO

A história de Jeremias é a história de um adolescente incapaz, a quem Deus confiou uma tarefa. Que teve medo, mas cumpriu-a excelentemente. Deus nos capacita para as dificuldades e lutas da vida.  A oração de Jeremias nos ensina a sermos honestos com Deus, a falar-lhe dos nossos temores e confessar nossa inabilidade. Mas ele não fugiu, apenas confessou ser incapaz. Não fuja dos seus problemas. Enfrente-os. Abra o coração com Deus. Ele tocará você e o capacitará para a luta. Deus sempre faz isto. E nos diz, como a Jeremias: “Não tenha medo… pois eub estarei com você”.

 

A ARTE DE SABER ESPERAR

 

“Um dia Sarai disse a Abrão: – Já que o Deus Eterno não me deixa ter filhos, tenha relações com a minha escrava; talvez assim, por meio dela, eu possa ter filhos…” (Gênesis 16.2).

 

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Sarai e Abrão tinham recebido uma promessa da parte de Deus. Para que ela se cumprisse, eles deveriam ter um filho. Sarai era estéril e o tempo avançava. Um filho, só por milagre. Mas ela não conseguiu esperar e fez aquilo que muita gente ainda faz em nosso tempo: decidiu ajudar Deus. Decidiu “fazer o milagre”.  Não sem antes culpar Deus: “Já que o Deus Eterno não me deixa ter filhos…”. Quando um crente começa a culpar Deus vai se envolver em enrascadas, sem dúvida alguma. A racionalização culpabilizante é indício de que a vida espiritual vai mal. E que mais problemas surgirão.

Continue lendo A ARTE DE SABER ESPERAR

A CARTA AOS EFÉSIOS

Preparado pelo Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

INTRODUÇÃO

Esta carta é chamada de “a rainha das epístolas”. É considerada como sendo o melhor tratado sobre a Igreja. Nos dois manuscritos gregos mais antigos, chamados de Álefe e de Beith não constam o nome de Éfeso. Marcião considerava-a como a “epístola a Laodicéia”. Neste caso seria ela o documento mencionado em Colossenses 4.16. Parece que a carta foi uma circular, que Paulo encaminhou às igrejas. Uma  cópia que nos ficou guardou o nome de Éfeso. Mas os dois manuscritos citados o têm em branco. Em favor desta teoria, vem o fato de que Paulo fundara a igreja de Éfeso (At 19.1) e a pastoreou por três anos (At 20.31). Na epístola, aparentemente, ele desconhece a igreja:  1.15. Obviamente, se carta não foi endereçada especificamente a Éfeso,  isto não diminui a sua autenticidade nem o seu valor. Aumenta-o, pelo contrário. Mostra que foi algo que Paulo queria que todas as igrejas lessem. Tem grande valor, portanto.

Continue lendo A CARTA AOS EFÉSIOS

O DESMANCHE DAS INSTITUIÇÕES E A IDOLATRIA DOS LÍDERES

Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho

 

Pastoral do boletim da IB Central de Macapá, 6 de março de 2011

 

 

Fui ler O segundo mundo, de Parag Khana, no trecho sobre a Líbia, para tentar entender o que sucede naquele país. O autor é muito culto e claro. Tanto que consegui entender tudo o que ele escreve. Fiquei tão fascinado com o livro que o li todo.

Ele fala da cultura política da América Latina, de ter instituições fracas para que líderes sobressaiam. Ele associa as instituições fracas com ditadores “pais dos pobres”. Os latino-americanos sempre esperam socorro de líderes messiânicos. Desprezam instituições e endeusam líderes. Então, entendi algo que se passa no cenário evangélico: por que há um desmanche das instituições. Por que tantos líderes criticam as convenções estaduais e a Brasileira? Porque não lhes convêm instituições fortes. Elas atrapalham obreiros personalistas, que querem dominar a igreja, e não servi-la. E muitos tentam desmontar a igreja local. Porque quando ela se firma é uma instituição forte.

Continue lendo O DESMANCHE DAS INSTITUIÇÕES E A IDOLATRIA DOS LÍDERES